Entrevistas

Olhar visionário e zeloso na medicina vascular

Dr. Jeferson Freitas Toregeani une pesquisa, inovação e gentileza em sua atuação, cativando pacientes e se destacando como profissional

Entre tantas características, talvez persistência, resiliência e dedicação sejam as mais marcantes na vida e no trabalho do Dr. Jeferson Freitas Toregeani. Em meio a perdas, estudos intensos e escolhas difíceis, Dr. Jeferson construiu uma carreira primorosa, com destaque à pesquisa e às inovações na área de medicina vascular.

O sobrinho Yves filho, com quem tem excelente relacionamento até hoje, principalmente depois da morte prematura do irmão

Por trás do atual médico de sucesso, uma trajetória sempre ativa: desde pequeno, com determinação, guiou as decisões sobre seus próprios estudos. Nascido em Maringá, em 1976, filho da dona Lídia e do seu Aristides, Jeferson dividia sua rotina entre brincar na rua com carrinho de rolimã e estudar – praticamente todo o ensino fundamental em escola pública e sempre com boas notas. Mas uma greve prolongada no ano de 1990 colocou seus estudos em risco. Sem pestanejar, foi em busca de uma escola que o aceitasse com três meses de atraso. E assim aconteceu: convenceu a mãe a fazer a transferência e, com o apoio da irmã, Deborah, e com aulas particulares de outros professores, Jeferson finalizou o ciclo básico e chegou ao que atualmente corresponde ao ensino médio. Hoje, o médico tem apreço e gratidão pelo Colégio Regina Mundi, que foi importante na transição para escolas com nível mais alto de exigência.

 

Laços e dores de família

Na juventude, uma sina da família levou Jeferson a trabalhar para seu irmão mais velho,  Yves, que era empresário em Maringá. Assim foram dois longos anos. Quando percebeu que não era o caminho que gostaria de seguir, uma nova mudança escolar, agora, para o colégio Nobel. Com o apoio da mãe, Jeferson seguiu o caminho íngreme para o vestibular de Medicina.

A escolha trouxe turbulências para a família, e o relacionamento com o irmão mais velho desmoronou. Um clima ruim pairou na família, pois nenhum dos irmãos teve apoio integral para estudar. Todos precisavam trabalhar. Seria, então, Jeferson a primeira exceção? A meta do atual médico era clara: passar no vestibular! Com o avançar do ano, o tempo era sagrado, e não havia muito espaço para os amigos na rotina de quem estava prestes a enfrentar o vestibular mais concorrido do Paraná.

Então, uma nova decisão: Jeferson se mudou para Curitiba ainda no terceirão. Era agosto de 1993 e o fim de relacionamento dele com Maringá.

Tempos difíceis no pensionato Maeda em Curitiba. Aprendi a estudar pesado com estes japoneses! Desta turma tivemos aprovações na UFPR, USP, UEM, CEFET...

Foram quatro meses de estudo árduo para, enfim, ingressar na Universidade Federal do Paraná. Uma notícia muito feliz se não fosse a dor pela morte prematura do irmão mais velho de Jeferson em Balneário Camboriú. Era 1994, o ano mais difícil para ele: a mãe com câncer; o irmão, Yves, falecido; o querido sobrinho afastado da família por uma ação judicial; os amigos longe de Curitiba; o frio curitibano; a falta de dinheiro e conforto...

Jeferson insistiu em sua meta apesar da vontade de desistir. “Os dois primeiros anos da faculdade foram medíocres. Quando adentrei o terceiro ano, percebi que estava muito defasado em relação aos meus colegas de turma. Iniciei um caminho de aprimoramento paralelo que consistiu em diversos cursos e estágios em hospitais, sendo os dois principais o Hospital Cajuru e o Hospital Nossa Senhora das Graças”, conta Dr. Jeferson.

Os melhores amigos da faculdade: Dr. Denis Bonatto (Oncologista) e o Dr. Denilson Szkudlarek (Otorrinolaringologista)

“Continuei meus estudos nos demais anos da faculdade, dividindo os meus intervalos vagos com o Hospital Nossa Senhora das Graças e com os muitos livros preparatórios para prova de residência. Estava competindo com os melhores do Paraná mais uma vez. Me formei em 5 de janeiro de 2000, mesmo dia em que assumi a única vaga de residência em cirurgia vascular do Hospital Nossa Senhora das Graças. Foram três anos de treinamento intensivo e ali eu comecei a ganhar um gosto muito grande pela vida, pelo que é a cirurgia vascular, pelo conhecimento e pela vida acadêmica, que sempre me colocou um degrau acima em relação aos demais colegas”, relata o médico sobre um dos períodos mais intensos da sua formação.

No final da residência em cirurgia vascular, surgiu uma grande dúvida: onde o Dr. Jeferson trabalharia pelo resto da vida? Optou por realizar algumas viagens: à terra natal (Maringá), a Foz do Iguaçu e Medianeira, mas foi em Cascavel que encontrou o futuro. O convite foi realizado pelo amigo Dr. Claudio Kimura. “Em setembro de 2002, eu vim conhecer a cidade: ‘nossa, a cidade é grande, e o melhor: tem uma faculdade de Medicina’. Isso me agradou muito!”, conta Dr. Jeferson. A missão como educador seguiu paralela à carreira como médico.

 

Cascavel: a cidade (hospitaleira) escolhida

Antes mesmo de terminar oficialmente a residência, Dr. Jeferson usou as férias para vir a Cascavel ajudar os futuros sócios em várias cirurgias no Hospital Universitário, Hospital Santa Catarina, Hospital Salete, Hospital São Lucas e Hospital Policlínica. Dezembro de 2002 estava oficialmente mudando para bela Cascavel. Em 2003, foi quando iniciou o centro de estudos do Instituto Vascular. Ainda nesse ano, realizou algumas aulas voluntárias na Unioeste. Nos anos de 2004 e 2005, fez um curso ligado à Unifesp para aperfeiçoamento didático, o que permitiu que Dr. Jeferson ingressasse como professor da Unioeste.

Defendendo a tese de mestrado em 2013 com os amigos e professores Dr. Carlos Nassar, Dr. Mauro Busato e Dr. Jorge Timi

Desde então, a produção científica tem sido uma constante na vida do médico. Em 2005 e 2006, após quase três anos de estudos intensivos, superou as provas de título de especialista em Cirurgia Vascular pela SBACV e Área de Atuação em Ecografia Vascular pelo CBR. Em 2008, ingressou como professor de Fisiologia Humana e como Professor e Coordenador da disciplina de Angiologia e Cirurgia Vascular da Faculdade Assis Gurgacz (FAG).

Também aproveitou a evolução da pós-graduação da Unioeste e concluiu o Mestrado em 2013. Em 2019, mais uma especialização, dessa vez em Cirurgia Endovascular na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo.

Dr. Jeferson agregando mais uma especialização, desta vez em cirurgia endovascular, junto à Santa Casa de Misericórdia de São Paulo

“Eu trouxe para Cascavel as primeiras técnicas de espuma após um congresso em Porto Alegre, e, apesar do receio inicial, acabou sendo usada largamente como opção para o tratamento das varizes. Outras tecnologias inovadoras foram o FREDDO, que usa o resfriamento para trazer mais conforto para as pacientes no tratamento estético; o fleboscópio, que permite visualizar as varizes com maior intensidade; e a técnica da radiofrequência, utilizada desde 2010, da qual fui um dos contratados pela representante da americana Covidien para dar treinamento aos demais médicos da região Oeste”, conta o médico, sempre envolvido em inovações para a área.

Nesse mesmo período, o médico passou a entender que o paciente busca sempre o melhor. Percebeu, com olhar atento, que muitos pacientes iam à consulta frustrados com tratamentos realizados por outras pessoas. “Estabeleci uma meta de que eu pudesse oferecer um tratamento adequado e justo, para que as pessoas pudessem desfrutar do melhor, com um bom custo-benefício”.

Também nesse momento, Dr. Jeferson iniciou estudos com anticoagulantes, o que rendeu a ele a contratação como speaker de empresas de renome internacional, como a Bayer (Xarelto), a Sankyo (Lixiana). Passou a palestrar também sobre outras classes de drogas para Aché (Prostavasin), Servier (Daflon), Marjan Farma (Vecasten), entre outros.

O Dr. Jeferson em congresso recente onde foi responsável, junto com Dr. Graciliano França, pelo módulo de treinamento em ultrassonografia vascular

A vida acadêmica evoluiu, e nesse meio tempo, fundou as Ligas Acadêmicas de Doenças Vasculares da Unioeste e da FAG – LADVU e LADVF. “Com as ligas, pude incentivar o aumento da produção científica em nossa área. Ao todo, foram mais de 100 trabalhos apresentados em congressos, cerca de 20 trabalhos publicados. Com a grande responsabilidade da docência, missões importantes em nível nacional, como palestras em congressos estaduais, nacionais e eventualmente até internacionais. Ao todo, foram mais de 30 palestras. Foram seis capítulos de livro produzidos nestes últimos anos, sendo o mais recente um livro em parceria com professores brasileiros e americanos, cujo tema principal é a artéria aorta e suas doenças”, destaca o médico.

O Dr. Jeferson com os acadêmicos da LADVF e LADVU, participando das olímpíadas interligas do Paraná. Campeões nas duas edições

 

“Posso dizer que hoje me sinto mais completo”

A sensação de completude permeia a vida profissional do médico, que oferece para os pacientes toda a experiência acumulada ao longo de 20 anos em Cascavel. “Tenho uma consciência tranquila e que faz julgamentos pesados quando percebo qualquer situação imoral. Portanto, ofereço aos meus pacientes sempre o que considero o melhor, como se fosse oferecer algo para alguém de minha família”.

Dr. Jeferson Toregeani e família: Krischina, Lucas e Luana

Dr. Jeferson ainda destaca o valor das parcerias que fez: “para isso, conto com uma equipe de excelentes sócios e colaboradores que me tornaram o médico que sou hoje, afinal, são eles que me ajudam a seguir sempre no caminho certo”.
E, claro, a vida pessoal ganha linhas especiais na história do médico: “Não posso me esquecer de agradecer muito à minha família pelo apoio incondicional, em especial à minha esposa, Krischina, e aos meus filhos, Lucas e Luana, que toleram meus excessos de trabalho e entendem a difícil missão de ser um médico diferenciado. Agradeço também a toda Cascavel por me permitir mostrar o meu melhor!”, finaliza Dr. Jeferson.

 

Dr. Jeferson Freitas Toregeani
CRM-PR 17767 / RQE 12612

- Formado pela Universidade Federal do Paraná.
- Residência em Cirurgia Vascular pelo Hospital Nossa Senhora das Graças e Hospital Cajuru.
- Título de Especialista em Cirurgia Vascular e atuação em Ecografia Vascular - SBACV e CBR
- Mestre pela UNIOESTE.
- Especialização Angiorradiologia - Santa Casa de São Paulo.
- Professor de Cirurgia Vascular - UNIOESTE e FAG.
- Professor de Fisiologia Humana - FAG.
- Coordenador do Liga de Doenças Vasculares da UNIOESTE e da FAG
- Mais de 100 trabalhos apresentados em congressos
- Mais de 20 trabalhos publicados.
- Autor colaborador dos livros: Dor na perna (Moreira et al., 2012), Fleboestética (Merlo et al. 2019), Isquemia de Membros Inferiores (Peclat et al., 2020), Dia a dia do Cirurgião Vascular (Erzinger, 2021), Manual de Cirurgia Vascular (SBACV - 2021) e Doenças da Aorta (Oderich et al., 2021).