Entrevistas

Vocação pela medicina, pioneirismo e perseverança

Dr. Antonio S. Trigo Rocha, 40 anos dedicados à saúde dos cascavelenses

Dr. Trigo

Graduado em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (1981). Residência em Cirurgia Geral na Santa Casa de São Paulo (1984). Residência em Cirurgia Vascular Periférica (1986). Especialização em Terapia Intensiva (1988). Especialização em Cirurgia Vascular Periférica pela Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular e MEC (1989). Atualmente, é professor auxiliar do curso de medicina da Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Tem experiência em Cirurgia Vascular Periférica, Cirurgia Endovascular, atuando principalmente nas seguintes áreas: escleroterapia de microvarizes e varizes, operação com laser, radiofrequência e convencional de varizes, operações das doenças arteriais (tromboses, aneurismas, arterites), angiorradiologia e cirurgias endovasculares. Foi presidente da Associação Médica de Cascavel e participou do conselho diretor da Unimed e da Policlínica. É diretor clínico do Hospital Gênesis e presidente da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular – Regional Paraná.

 

Paranaense legítimo, nascido em Londrina, o médico Antonio S. Trigo Rocha estudou Medicina na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Dr. Trigo, como é conhecido em Cascavel, escolheu estudar em São Paulo, que, na época, tinha os melhores cursos de Medicina do país. Durante a faculdade, fez um concurso para estagiar na Maternidade de São Paulo, que chegou a ser a maior da América Latina. “Era muito concorrido. No terceiro ano, fiz um curso preparatório para esse exame e costumo dizer que, com muita perseverança e um pouco de sorte, consegui ser aprovado. Minha intenção era fazer ginecologia e obstetrícia”.

Até o sexto ano da faculdade, dedicou-se à Maternidade de São Paulo. Quando o plantão estava mais tranquilo, costumava acompanhar o cirurgião geral na Unidade de Terapia Semi-intensiva. “Ele me convidou para trabalhar na equipe dele, mas a condição era que eu fizesse cirurgia geral. Então, resolvi prestar concurso para residência médica nessa área na Santa Casa de São Paulo. Dois anos depois, percebi que o cirurgião geral resolvia tudo, mas que, muitas vezes, precisava de um cirurgião vascular. Já tinha planos de me mudar para o interior, mas entendi que ainda não estava pronto. Impressionado com a importância do trabalho do cirurgião vascular, fiz mais dois anos de especialização nessa área”.
 
Quando se sentiu preparado para atuar no interior, foi convidado pelo grande amigo e colega de turma, que considera irmão, Dr. Univaldo Etsuo Sagae para trabalhar em Cascavel. Era 1989 e havia apenas um cirurgião vascular na cidade. “Não conhecia a região, mas logo me apaixonei. Estavam inaugurando o Hospital Universitário, e ali começou a minha trajetória na cidade”.

Em pouco tempo, Dr. Trigo passou a fazer parte do corpo clínico de outros hospitais. Durante três anos, ficou de sobreaviso em todos eles e tinha uma folga no mês para visitar a família. “Trabalhei muito. Naquele momento, os hospitais locais não tinham nem material específico para cirurgia vascular. Montei duas caixas com o que precisava para atender os pacientes. Eu era o segundo cirurgião vascular da cidade e o único médico com título de especialista em Terapia Intensiva”.

Estruturou a UTI do antigo Hospital Universitário de Cascavel e foi plantonista por 10 anos na terapia intensiva.

 

Vascular, endovascular e angiologia

A área vascular é bastante ampla. Existe uma confusão entre os leigos sobre essa divisão. Dr. Trigo explica que, antigamente, havia o cardiologista e o cirurgião cardiovascular. Com o avanço da medicina, essas áreas foram se fragmentando. O cirurgião cardíaco opera o coração e as grandes artérias torácicas, enquanto o cirurgião vascular periférico opera todos os vasos com exceção do coração, tanto a parte arterial como venosa, principalmente varizes.
Depois, surgiu dentro da cardiologia o médico hemodinamicista, que faz o tratamento endovascular das doenças cardíacas, principalmente coronarianas. E há ainda o cardiologista clínico, que atende o paciente em consultório e faz o encaminhamento para o cirurgião quando necessário.

 

30 anos do Instituto Vascular

“Gosto do ditado que diz: uma andorinha sozinha não faz verão. Acredito no trabalho em equipe e, por isso, em 1991, fiz uma sociedade com o Dr. Marcos Horikawa, que foi o primeiro cirurgião cardiovascular de Cascavel.”

Dessa parceria, nasceu o Instituto Vascular, que está completando 30 anos. Posteriormente, outros colegas de profissão somaram-se ao time. Atualmente, os médicos Claudio Jundi Kimura, Jeferson Freitas Toregeani, Ricardo Adriano Gomes Araújo, Americo Kazuo Kawai e Carlos Augusto Schereiner fazem parte do corpo clínico do Instituto.

Desde o início da clínica, os sócios se preocuparam em investir em tecnologia. Buscaram incansavelmente todos os avanços da medicina para proporcionar saúde aos cascavelenses. Trouxeram para a cidade o primeiro equipamento de ecodoppler para exames de vasos sanguíneos. Em parceria com a Policlínica, fundaram e estruturaram a Digicor, em 1998 – que é um serviço de hemodinâmica e de cirurgia endovascular. Compraram um equipamento de hemodinâmica com subtração digital – técnica avançada em radiologia para os procedimentos cardíacos e cardiovasculares, que beneficiou toda a região.

Todos os casos complexos eram atendidos por eles. Grandes nomes da medicina de São Paulo se dispuseram a ajudar, entre eles o cirurgião vascular Walter Kegham Karakhanian, que é grande amigo e foi professor do Dr. Trigo.

Até então, não havia nenhum serviço de cirurgia vascular no Oeste paranaense, com apenas poucos médicos trabalhando isoladamente. O Instituto Vascular foi pioneiro na maioria dos procedimentos vasculares na região. A primeira angioplastia realizada no interior do Paraná foi feita por eles em Cascavel, em 1994. Em 2001, foram responsáveis pela primeira endoprótese de aorta abdominal – utilizada para tratar o aneurisma de aorta abdominal. A partir daí, realizaram cada vez mais procedimentos.

Essas conquistas são resultado de muito empenho. “Quando terminei minha especialização, a área endovascular nem existia. Todos os meses eu ia para São Paulo de avião, de ônibus e até de carro. Ficava lá de quinta a sábado acompanhando procedimentos da área nos hospitais Sírio Libanês e Samaritano, que são centros de referência internacionais em saúde. Assim, tive todo o treinamento necessário”.

 

Aprimoramento constante

O Instituto Vascular tem uma filosofia desde a sua criação: o aprimoramento médico da área vascular. Isso só é possível com ensino e pesquisa e resulta em atendimento adequado ao paciente. A maioria dos profissionais do corpo clínico é ligada a faculdades de Medicina. O Dr. Trigo é professor na Unioeste há 21 anos e, nesse período, lecionou para cerca de 800 médicos. “Temos aqui dentro um centro de estudos direcionado aos alunos da graduação do 3º ao 5º ano, que chamamos de Liga Vascular. É a primeira liga nessa área do Paraná de que eu tenho conhecimento. Temos muitos trabalhos publicados no Brasil e no exterior em revistas de alta credibilidade na área vascular”.

Atualmente, o instituto oferece os tratamentos mais avançados do mundo. São três décadas de experiência em cirurgias, com utilização de laser ou radiofrequência. Trabalham, também, com o laser transdérmico para varizes de pequeno calibre, os microvasos, principalmente da face.

Nesse momento, o corpo clínico do instituto está pesquisando sobre a cirurgia vascular robótica, que já existe no Hospital Israelita Albert Einstein, em SP. Ela é feita por um braço de robô, que, além de melhorar a precisão do procedimento, ainda evita que o médico receba alta carga de radiação.

“Não basta querer ser médico, tem que ter vocação, vontade de ajudar as pessoas. E disposição para um estudo contínuo. Tem que estar sempre buscando novidades. O acesso ao conhecimento hoje é mais fácil. Quando o médico se forma, abre-se um leque de possibilidades, e ele tem que escolher a de que mais gosta.”

 

Projetos futuros

Em primeira mão para a Saúde News, o Dr. Trigo revelou que o Hospital Policlínica irá adquirir até o início de 2022 uma máquina de hemodinâmica Philips, que é top de linha, para procedimentos endovasculares. “Graças ao empenho de todos, essa aquisição será possível e trará um avanço muito grande no tratamento das doenças endovasculares”.

Em 2024, o Congresso Brasileiro de Angiologia e de Cirurgia Vascular será realizado em Foz do Iguaçu. O evento reunirá especialistas de todo o país e irá contribuir ainda mais para o aprimoramento dos profissionais da saúde do Oeste do Paraná.

 

Dr. Trigo, além da medicina

Como cuida da sua saúde?
Cuido da pressão, faço check-ups de saúde, tenho uma alimentação saudável, faço atividade física e evito maus hábitos.

Amor
Meus filhos. São três do primeiro casamento e uma do segundo. A primogênita é a Laura, psicóloga, com mestrado pela PUC de São Paulo. Depois, o Mateus, que é publicitário e trabalha na empresa que atende a Renault. A terceira filha é a Ana Luiza, que acaba de se formar em Medicina. A caçula é a Milena, de 14 anos. E, claro, minha esposa Helena, que sempre me apoiou e me incentivou.

Fé?
Sou um homem de fé.

Hobbies
Gosto muito de ler sobre tudo, principalmente sobre história.

Lazer
Meu lazer é trabalho. Não me vejo fazendo outra coisa, sou realizado como profissional. Mas também gosto muito de viajar, principalmente para os países mais antigos, que são ricos em história.

Saúde News
A Saúde News sempre foi grande parceira da classe médica. Divulga a medicina de Cascavel, que é extremamente desenvolvida. Na minha opinião, Cascavel é o maior centro médico do interior do Paraná. Temos medicina de ponta e grandes hospitais.

Ana Luiza Muniz Trigo Rocha
“Foram muitos anos de luta para conseguir chegar até aqui! Só tenho a agradecer a todos que me acompanharam nessa jornada. É uma honra dividir a profissão com meu pai, Dr. Antonio Trigo. Ele é minha inspiração como médica, pois sempre vi sua atenção e carinho com os pacientes e seu amor à profissão.”