Prevenção

Endometriose: você está atenta aos sinais?

Saúde da mulher

Saiba identificar os sintomas da endometriose
Diagnóstico e tratamento precoce fazem toda a diferença


Endometriose é uma doença que atinge cerca de 10% das mulheres em idade reprodutiva e, por isso, é tão importante conhecer melhor o que é a doença, quais são os sintomas e tratamentos que podem reduzir seus efeitos. Vamos entender? 

Endometriose: o que é?
Endometriose é uma doença crônica, mas, para entendê-la, precisamos saber, primeiro, o que é endométrio: é a camada que reveste a parede interna do útero (do grego endo = dentro e metra = útero). O endométrio é muito importante para o funcionamento do corpo da mulher. É ele que, por exemplo, envolve o útero para receber um embrião. É essa camada, também, que é expelida e renovada a cada menstruação. Mas um crescimento do tecido endometrial “fora do lugar” causa problemas. A endometriose acontece quando parte do endométrio, ao invés de ser expelido, volta pelas trompas e alcança a cavidade pélvica e a região abdominal, podendo ainda aderir e crescer em outros órgãos como ovários, tuba/trompas, bexiga e até no reto e no intestino – a chamada endometriose intestinal.

E a endometriose profunda?
Existem alguns tipos de endometriose classificados pela gravidade. As duas principais definições são:

• Endometriose superficial: lesões nas superfícies dos órgãos pélvicos ou do peritônio (parte interior do abdômen). Ela pode ter sintomas mais leves, mas os mesmos efeitos em longo prazo, já que pode progredir.  
• Endometriose profunda: definida quando os implantes do endométrio alcançam uma parte mais profunda dos órgãos e não só a superfície. Geralmente, essa profundidade é maior do que 5 milímetros.

Sintomas de endometriose
Os sintomas de endometriose envolvem:
• Dor/cólicas fortes
• Dor durante e/ou após a relação sexual
• Dor ao evacuar (fazer cocô)
• Dor nas costas, principalmente na lombar
• Ciclo menstrual irregular
• Dificuldade para engravidar – mesmo após cerca de um ano de tentativas
Lembre-se: se suas cólicas menstruais chegam a te impedir de fazer outras atividades, é sinal de que algo está errado. Converse com seu médico!  

Fique atenta aos fatores de risco também!
A endometriose também pode ser assintomática, não apresentando sintomas por algum tempo. Por isso, é importante manter visitas frequentes ao médico e ficar atenta aos fatores de risco:
• Se sua mãe ou irmã têm/tiveram endometriose
• Ter começado a menstruar muito cedo
• Estresse
• Menstruações longas (sete dias ou mais)

Diagnóstico da endometriose: quais exames fazer?
Quando há suspeita de endometriose, podem ser solicitados alguns exames como ultrassom endovaginal, ressonância magnética, exame de sangue CA-125, biópsia, entre outros.
Mas quem indica os exames que devem ser realizados é o profissional de saúde. Por isso, mantenha uma frequência regular de visitas ao seu médico e consulte um(a) ginecologista anualmente.

Endometriose tem cura? Conheça os tratamentos!
A endometriose, até hoje, não tem cura, mas tem tratamentos que impedem que a doença progrida. Quanto mais precoce o diagnóstico, melhores as chances de evitar danos para a pessoa. Geralmente, a doença regride espontaneamente na menopausa devido à queda na produção hormonal.
Os tratamentos possíveis são:
• Medicamentos
• Uso de hormônios que interrompem a menstruação
• Cirurgia de retirada e raspagem das áreas com aderência
• Histerectomia (retirada do útero)
Os processos cirúrgicos são indicados apenas nos casos mais graves da doença.
Cada tratamento vai ser indicado de acordo com a gravidade do problema, a idade, o desejo de engravidar e os sintomas.

Como conviver com a endometriose?
Além dos tratamentos efetivos, há dicas paliativas para garantir a qualidade de vida de mulheres que convivem com a doença.
Uma delas é a atividade física, que alguns estudos indicam como sendo um poderoso método de reduzir dores e evitar a progressão. Outra dica é a compressa de água quente, que pode ajudar a aliviar as cólicas.
Adotar medidas de controle do estresse como meditação, mindfulness e autoconhecimento também é eficaz. Vale considerar, contudo, que os outros tratamentos são essenciais!

Quem tem endometriose pode engravidar? Descubra a relação!
A endometriose pode levar a mulher a se tornar estéril, se não houver tratamento, apesar de não ser uma regra. Infelizmente, a doença ainda é uma das principais causas da infertilidade feminina.
Essa relação se dá porque o endométrio nas tubas/trompas uterinas e ovários causa diferenças anatômicas que impedem ou dificultam a fecundação. Para que possa ocorrer uma gravidez, diagnóstico e tratamento precoces são fundamentais.
Mantenha hábitos saudáveis em sua rotina e esteja sempre em contato regular com seu médico.
Além disso, caso já tenha engravidado anteriormente, pode ser que a endometriose impeça ou dificulte uma nova tentativa de gestação.

Fique atenta a qualquer sinal do seu corpo!

Fonte: Unimed