Eventos

Como fica a prática de atividade física durante a pandemia da COVID-19?

De uma hora para outra, passamos a nos adaptar em diversos sentidos do nosso cotidiano. Em virtude da pandemia da COVID-19 e com as restrições para sair de casa, precisamos aprender novas maneiras de trabalho, de consumo e de socialização. Também não podemos esquecer-nos do corpo, que tal praticar algumas atividades físicas na sala de estar?
A Organização Mundial da Saúde (OMS) orienta 30 minutos de atividade moderada, cinco vezes por semana. Outra dica para quem não tem este hábito é praticar com calma para evitar lesões. A rotina da prática regular de atividade física melhora o sistema imunológico e contribui para a proteção de doenças crônicas. Além disso, oferece benefícios psicológicos, como a promoção da sensação de bem-estar e ajudará no retorno das atividades cotidianas, após o período da pandemia da COVID-19.
Então, empurre os móveis da sala e use o espaço para se movimentar! Aproveite também para convidar as pessoas que moram com você para sair do sofá, pois as vantagens valem para crianças, adultos e idosos. Para fugir do sedentarismo selecionamos algumas dicas abaixo:



Menores de 2 anos:

De acordo com a Coordenação do Ministério da Saúde, as atividades físicas podem ter qualquer intensidade e devem ser distribuídas ao longo do dia. A música é um bom incentivo para esses movimentos, assim como os momentos de brincadeira com a família. Exemplo: rastejar, engatinhar, manipular objetos e texturas, correr ou andar.


Entre 3 e 4 anos:
As atividades físicas já podem ter maior intensidade e serem estimuladas por meio de histórias infantis, músicas ou brincadeiras cantadas, que incentivem as crianças a usarem a criatividade e a imaginação. Por exemplo: subir e atravessar objetos, dançar, pular corda, brincar de esconde-esconde.


Com mais de 5 anos:
As atividades físicas ganham ainda mais intensidade e podem ser realizadas por meio de jogos, brincadeiras e danças. Vale também brincar de esconde-esconde, de mímica, criar coreografias, pular corda, elástico e amarelinha. Videogames que estimulam os movimentos corporais também são bem-vindos.
Para todas as faixas etárias das crianças, é essencial que o tempo em frente às telas (tablets, celulares e televisão) seja reduzido ao máximo possível e seja substituído por atividades físicas, como as citadas acima.


Para adultos:
São recomendadas atividades físicas de intensidade moderada a vigorosa, que podem ser realizadas no tempo livre ou durante os afazeres domésticos. Vale dançar, pular corda, subir escadas.
Para quem está em home office durante a pandemia, é importante evitar longos períodos sentado. Levante-se de tempos em tempos para se movimentar, seja para buscar água, ir ao banheiro ou até mesmo dar uma volta pela casa.
Para os iniciantes em qualquer atividade física, é recomendável começar pelas mais leves. Os exercícios de alongamento e relaxamento podem ser realizados em casa, sem a necessidade de muito espaço, como no chão ou em pé.
Da mesma maneira, podem ser feitos os exercícios de fortalecimento que envolvem grandes grupos musculares, como se sentar e se levantar de uma cadeira ou agachar para levantar objetos com pouco peso (1 a 2 kg). É importante sempre respeitar os limites do próprio corpo.
Para adultos que já têm contato com a atividade física, é hora de adaptar os exercícios em casa ou diversificar as atividades. Além disso, mantenha sempre o corpo hidratado e beba água várias vezes ao dia.


Para idosos:
Eles podem realizar alongamentos simples e exercícios de fortalecimento muscular. Alguns exemplos que podem ser feitos dentro de casa são: levantar-se e sentar-se na cadeira algumas vezes seguidas, subir escadas, agachar para pegar objetos ou carregar sacolas com pouco peso. Sempre respeitando os limites do próprio corpo.
Por ser a faixa etária com maior risco, os idosos necessitam de mais atenção e devem ficar em casa o máximo de tempo possível. Manter o corpo ativo ajudará a ter disposição para fazer as atividades rotineiras após o período de isolamento.

Fonte: Saúde Brasil