SAÚDE NEWS

Editorias

Prevenção

20/03/2020
Cuidados com a saúde respiratória podem fazer a diferença na rotina entre avós e netos

Sintomas como falta de ar e cansaço, que podem impactar brincadeiras e atividades familiares, não devem ser negligenciados


No meio familiar, os avós são figuras de sabedoria e diversão, fontes de grandes histórias que fazem toda a diferença no desenvolvimento das crianças. A saúde e a longevidade deles são fundamentais, tendo em vista o acompanhamento e o crescimento de seus netos. Com o passar do tempo, alguns problemas de saúde como, diabetes, hipertensão arterial, perda de audição entre outros podem surgir e mesmo com a idade mais avançada, muitos deles não são normais e devem ser investigados o quanto antes.
Ao contrário do que muitos pensam, queixas de cansaço e dificuldade para realizar atividades rotineiras, como caminhar ou subir escadas, podem não ser normais nem mesmo na terceira idade. Um exemplo é a Fibrose Pulmonar Idiopática (FPI), que tem como principais sintomas a falta de ar e tosse seca, que são facilmente atribuídos aos sinais de envelhecimento ou outras doenças. Segundo o Dr. Marcelo Palmeira, Pneumologista e Professor da Universidade de Brasília (UNB), “a percepção errônea de que o envelhecimento é necessariamente acompanhado por tosse seca, cansaço e um estilo de vida limitado dificulta o diagnóstico de doenças pulmonares crônicas, principalmente as raras como a Fibrose Pulmonar Idiopática (FPI), uma doença progressiva, sem cura e como o próprio nome diz, de origem desconhecida (idiopática)”.
A FPI provoca cicatrizes nos pulmões, prejudicando a capacidade respiratória do paciente. Os sintomas apresentados pelos portadores dessa doença são facilmente confundidos com os de doenças cardíacas, por exemplo, o que torna o diagnóstico muito complexo e delicado, podendo levar mais de um ano para ser feito adequadamente.
O paciente que apresenta os sintomas da doença deve procurar um especialista, realizar os exames necessários e ter o diagnóstico correto o quanto antes para dar início ao tratamento medicamentoso. O Dr. Marcelo explica “após o diagnóstico, o pneumologista é o principal responsável pelo tratamento dos pacientes. É importante também uma avaliação e acompanhamento com outros profissionais caso seja necessário, já que outras doenças como refluxo gastroesofágico, hipertensão pulmonar e até depressão podem ser desenvolvidas com o tempo”. Para um menor impacto da doença na rotina dos pacientes, o tratamento com o medicamento, se realizado de acordo com a prescrição médica, pode reduzir a progressão da doença em até 50%.
Para que os avós possam aproveitar momentos em família com saúde e tenham um envelhecimento mais ativo é importante considerar algumas dicas dadas pelo Dr. Marcelo, como, evitar o cigarro, praticar atividade física regularmente, manter uma alimentação equilibrada, e incluir a visita ao pneumologista no check-up anual. “Tão importante quanto todos os cuidados e prevenção, o suporte emocional pela família é essencial, uma vez que até 30% a 50% dos pacientes apresentem sintomas de ansiedade e depressão, respectivamente. Mostrar-se presente na vida de um paciente com doença rara pode ajudá-lo a conviver melhor com a doença” finaliza o Dr. Marcelo.

Fonte: Boehringer Ingelheim
Rua Pernambuco, 2450 - Coqueiral - CEP 85807-050 - Cascavel/PR - Fone: (45) 3224-7212 / 3038-7216 / 99972-4744 / 99931-8072
COPYRIGHT TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.