SAÚDE NEWS

Editorias

Prevenção

15/01/2020
Dor na lateral do quadril?

Voglia Ortopedia


TENDINITE GLÚTEA

A principal causa de dor no quadril das mulheres


A tendinite glútea é uma causa muito comum de dor no quadril. Ela pode gerar dor por anos se não forem realizados o diagnóstico e o tratamento corretos.
O principal fator relacionado à tendinite glútea é o desequilíbrio muscular. E, neste sentido, as mulheres saem com uma grande desvantagem, por causa do formato dos ossos da pelve.
A tendinite glútea pode acometer uma entre cada 4 mulheres acima de 50 anos.
Os ossos da bacia de uma mulher apresentam uma abertura muito mais ampla devido à gestação e ao canal do parto. Apenas com um olhar no esqueleto é possível diferenciar uma pelve feminina da masculina.
Esta estrutura gera uma bacia mais larga. Os tendões do quadril ficam constantemente tensos e fazem mais força que o normal. Por isso as mulheres apresentam uma grande predisposição a desenvolver inflamação nestes tendões.
Apesar dos músculos glúteos serem importantes, muitas vezes esquecemos de fortalecê-los ou os sobrecarregamos além do limite. Nem mesmo os atletas são poupados.

Sintomas da tendinite glútea:
• Aumento de sensibilidade na lateral do quadril, principalmente ao apertar
• Dor ao deitar-se de lado
• Dificuldade para subir e descer escadas
• Desconforto para permanecer muito tempo sentado ou em pé
• Dor nos primeiros passos logo após levantar-se da posição sentada

O que provoca a tendinite glútea:
• Pessoas com pelve larga ou lateral do quadril mais proeminente, o que explica a incidência maior em pacientes do sexo feminino
• Alteração de comprimento entre as pernas, com desequilíbrio muscular por sobrecarga maior na lateral de um quadril
• Esforço repetitivo, principalmente com atividades esportivas
• Sobrecarga de peso e obesidade
• Envelhecimento do tendão
• Fraqueza muscular
• Pessoas que fazem atividade física em planos inclinados, como correr em subida

Orientações
1. Evitar iniciar qualquer tipo de exercício físico sem uma prévia avaliação da estrutura corporal, pois ela pode estar com alguma disfunção que pode desequilibrar a musculatura e gerar inflamação.
2. Inserir exercícios de impacto de forma gradativa. Ao iniciar uma atividade física, começar devagar para que o corpo consiga compensar o esforço com fortalecimento da musculatura.
3. Cuidar com o volume do treinamento. Muito volume associado a algum tipo de disfunção é o casamento perfeição para gerar lesão no tendão do músculo glúteo.
4. Evitar passar muito tempo sentado. Caso esteja trabalhando, levantar-se de hora em hora e mobilizar o quadril, andar um pouco.
5. Alongar para manter um bom comprimento muscular e evitar contratura do músculo.
6. Corrigir possível diferença entre as pernas que possa gerar alteração das forças musculares no quadril.
7. Realizar exercícios de equilíbrio ou funcionais, como cama elástica, meia bola, ficar apoiado em uma perna.


Dica de ouro
Entender como o músculo reage para tentar cicatrizar o tendão. Se a dor no quadril permanecer por muito tempo, o músculo glúteo ficará mais tenso na tentativa de ajudar.
Mas, esta reação gera mais tensão no tendão que piora a tendinite. Isso gera dor, que contrai o músculo, que tensiona o tendão e novamente gera dor, num ciclo interminável de lesão.
Muitas mulheres sofrem de dor na lateral do quadril por nunca entenderem este processo. A dor só desaparecerá quando os músculos do quadril estiverem equilibrados, alongados e fortalecidos. Para isso, é necessário controlar a dor para conseguir alongar a musculatura, através do uso de medicação em associação com algumas técnicas de fisioterapia.
Apenas numa minoria de casos está indicado o tratamento cirúrgico ou infiltração. Como a tendinite glútea está ligada a um desequilíbrio muscular, a reabilitação é a principal forma de tratar corretamente este problema.
 


Rua Pernambuco, 2450 - Coqueiral - CEP 85807-050 - Cascavel/PR - Fone: (45) 3224-7212 / 3038-7216 / 99972-4744 / 99931-8072
COPYRIGHT TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.