SAÚDE NEWS

Editorias

Prevenção

15/07/2018
Depressão Sazonal: não se deixe abalar

Existem diversos aspectos da vida que estão atrelados aos fenômenos naturais. O funcionamento do nosso organismo, por exemplo, nem sempre se adapta com as mudanças das estações do ano. Além disso, episódios marcantes e determinadas épocas também afetam a saúde mental, como natal, aniversários (sensação de esta ficando mais velho), réveillon, datas que lembram a morte de familiares, entre outros. Quando essas características geram uma grande influência negativa no indivíduo, pode ser sintoma de depressão Sazonal. Frequentemente os pacientes apresentam algumas características que fisicamente se manifesta por meio da fadiga excessiva, hipersonolência, dores de cabeça, diminuição do impulso sexual, mudanças de apetites, entre outros sinais. Já no campo emocional o indivíduo pode apresentar falta de motivação, variações do humor, ansiedade, dificuldades de convivência e quadros traumáticos.

O inverno deixa as pessoas mais vulneráveis
A depressão é um transtorno bastante frequente: estima – se que 9% das mulheres e 5% dos homens adultos ao longo de suas vidas apresentem este tipo de transtorno. É uma das principais causas da internação psiquiátrica e de busca por atendimento médico (Assunção et al, 1998; Cordas, Sassi – Junior, 1998). As crianças também podem ser acometidas pela depressão. No inverno, é importante analisar a estação fria com olhar mais clínico, pois neste período os sinais e sintomas de depressão sazonal podem ser agravados. Isso ocorre porque muitas pessoas não gostam dos dias mais cinzentos, nublados e frios, quando o sol costuma ficar mais “escondido”. As baixas luminosidades aliadas às baixas temperaturas provocam o aumento da melatonina, hormônio produzido no organismo para regulação do sono; também ocorre a diminuição da serotonina, neurotransmissor associado ao bem-estar e felicidade. Em outras palavras, a tendência será de desânimo, menos motivação para sair da cama, sensação de cansaço extremo, isolamento, alterações no apetite (principalmente vontade de comer mais doces e carboidratos), entre outros sinais e sintomas já descritos acima.
A abordagem profissional do psiquiatra é essencial no reconhecimento da depressão sazonal. Em relação ao diagnóstico os tratamentos são conduzidos com psicoterapia, medicamentos, fototerapia, alimentação adequada, exercícios físicos, redução de tarefas estressantes, meditação, férias e atividades de relaxamento e ainda aconselha-se a convivência com boas companhias e passeios ao ar livre.
A saúde física e mental depende do cuidado com si mesmo e da atenção com os próprios sentimentos, cuide-se!

Principais fatores de diagnóstico
• Presença de fatores de risco;
• Período de ≥2 anos de alterações de humor sazonalmente relacionadas;
• Depressão no outono ou inverno;
• Remissão dos sintomas na primavera ou no verão;
• Sintomas somáticos;
• Retração comportamental;
• Comprometimentos funcionais;
• Uso excessivo de bebidas alcoólicas.

Fatores de risco
• Exposição à diminuição da luz no inverno e aumento da luz no verão;
• Residência em latitude setentrional;
• História familiar de transtorno afetivo sazonal (TAS);
• Sexo feminino.