SAÚDE NEWS

Editorias

Prevenção

15/05/2018
Retração Gengival e Hipersensibilidade Dentinária

Atualmente a retração gengival e hipersensibilidade dentinária assumiram o lugar da cárie como as doenças mais prevalentes da cavidade oral. A retração gengival ocorre quando há exposição da raiz do dente e quando ele não apresenta a proteção do esmalte dental. Isso causa sensibilidade ao frio, doces, alimentos cítricos ou, até mesmo, ao próprio ar da respiração, sendo muito comum na população mundial.
As causas são multifatoriais e os tratamentos são definidos após a pesquisa das origens destas doenças. As retrações (superfície exposta da raiz) podem ser acometidas por cárie, erosão química ou ácida e abrasão mecânica com a escova, sendo um processo contínuo ao longo da vida caso não seja tratado adequadamente. A literatura científica tem relatado um aumento significativo destas doenças também em pacientes jovens (entre 20 e 40 anos), principalmente relacionado aos hábitos da vida moderna, como por exemplo, consumo de alimentos condimentados (com alto PH) e bebidas ácidas e isotônicas. A higienização bucal traumática, bruxismo (hábito de ranger ou apertar involuntariamente os dentes, especialmente em pacientes ansiosos), oclusão (mordida) desajustada e desequilibrada, também são causas destes problemas. Estima-se que 90% da população mundial apresente estas patologias e observa-se com muita frequência a ocorrência em pacientes que usaram aparelhos ortodônticos (dentes alinhados não significa mordida correta) e em pacientes que apresentam um tipo gengival fino.
Muitas vezes, as pessoas preferem realizar um autotratamento com pastas dessensibilizadoras oferecidas pela indústria. Porém, é essencial procurar um especialista na área, o periodontista. Este profissional realizará o diagnóstico correto das causas da doença para então instituir o tratamento mais adequado, principalmente para prevenir o aumento ou reaparecimento dos sintomas. Além disso, não adianta restaurar a raiz exposta se as causas da retração gengival não forem tratadas, pois a doença poderá persistir e aumentar.

Não ter dor não significa não ter o problema.
Se você apresenta algum destes sinais ou sintomas, alguma raiz exposta, ou ainda, quer orientações de como prevenir seu surgimento, procure orientação especializada.