SAÚDE NEWS

Editorias

Prevenção

15/07/2017
Digicor inova na realização de procedimento com MitraClip

Tecnologia não invasiva é a nova alternativa no tratamento de insuficiência mitral

Utilizado no tratamento de insuficiência mitral, o procedimento com o sistema MitraClip, foi realizado pela segunda vez em Cascavel na Digicor – Cardiologia e Angiologia Digital. O procedimento é considerado uma evolução na área da cardiologia, além de altamente especializado. O MitraClip é uma alternativa no tratamento aos pacientes portadores de Insuficiência Mitral que não têm condições de serem submetidos à correção por meio da cirurgia cardíaca. Ele consiste na inserção do MitraClip na valva mitral, por acesso via veia femoral em direção ao átrio direito e, através do septo interatrial, até o átrio esquerdo onde o defeito desta valva é corrigido pela colocação deste dispositivo que “pesca a valva” diminuindo sua insuficiência. Assim, este dispositivo permite que o coração bombeie sangue de maneira mais eficiente em direção à aorta diminuindo o refluxo para o átrio esquerdo.
Os cardiologistas hemodinâmicos Dr. Luiz Bastos, Dr. Márcio Montenegro do Rio de Janeiro e o cirurgião cardiovascular Dr. Luciano Leitão, juntamente com a equipe da Digicor e a especialista de produtos da Abbott, enfermeira Ana Paula, foram precursores na região Oeste do Paraná neste procedimento.
Sob a coordenação do Dr. Bastos essa tecnologia avançada foi utilizada para beneficiar mais um paciente. Segundo o cardiologista, é uma constante evolução e preparo. “Estamos aprendendo continuamente, participando de eventos nacionais e internacionais, e isso é muito importante para que nós possamos ter a experiência necessária e realizar estes procedimentos de maneira rotineira”, explica.
O procedimento possui a aprovação da Sociedade de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista e também da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e exige acompanhamento de uma equipe altamente especializada. Além disso, ele é menos invasivo que o tradicional, ou seja, a cirurgia de válvula mitral cardíaca aberta, na qual é necessária a abertura do tórax do paciente, mais dias de internação e recuperação. Experiente, Dr. Luiz Bastos reforça que o Mitraclip não é indicado para todos os pacientes com este defeito cardíaco. Existe uma seleção criteriosa para que o mesmo possa ser utilizado. De preferência os pacientes com disfunção importante da valva mitral e que não têm condições de se submeter à cirurgia são os que mais se beneficiam deste dispositivo.
Outra tecnologia imprescindível na realização deste procedimento é o Ecocardiograma 3D, pois ele mostra em três dimensões a posição do dispositivo dentro do corpo do paciente orientando sua liberação e confirmando se o mesmo está na posição ideal e sendo eficaz na correção do defeito. Com este equipamento é possível ver toda a evolução do procedimento e garantir a boa realização do mesmo.


O tratamento de insuficiência mitral tornou-se menos invasivo

O dispositivo MitraClip® foi aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para o tratamento da insuficiência mitral. Por meio dessa tecnologia é possível reparar a válvula mitral sem a necessidade de um procedimento cirúrgico invasivo. Ele é inserido no coração através da veia femoral, um vaso sanguíneo na perna, e uma vez que o dispositivo esteja implantado, permite que o coração bombeie sangue de maneira mais eficiente, aliviando assim os sintomas e melhorando a qualidade de vida.