SAÚDE NEWS

Editorias

Bem-Estar

15/01/2017
Yin Yang?

A medicina tradicional chinesa (MTC) já é considerada uma especialidade médica reconhecida no mundo ocidental! Entretando, seu diagnóstico se diferencia do formato a que estamos habituados. Ela trata de padrões patológicos e não de doenças específicas. Ou seja, observa-se a doença normalmente diagnosticada, porém, com aspectos complementares a este processo como: a saúde mental, o trabalho, a atividade física, a alimentação do paciente, o perfil genético, os antecedentes pessoais e familiares. Isto ocorre porque o metabolismo de cada paciente é único e, portanto, o diagnóstico deve considerar estas características pessoais e distintas.
São vários os padrões observados pela medicina chinesa. Um deles é o Yin versus Yang. Trata-se de dois polos opostos, mas complementares e dependentes um do outro. Este padrão diz de uma forma abrangente, qual a tendência de adoecer do paciente. Todos nós temos esses dois aspectos em nosso corpo e o equilíbrio é o objetivo a ser alcançado! Ao nascimento, manifestamos características nitidamente Yang (hiperatividade, metabolismo mais acelerado, frequência cardíaca e respiratória maiores que de um adulto sadio) e, ao longo da vida, apresentamos uma tendência oposta, com perda dessa energia e vitalidade pertencentes à infância, manifestando elementos nitidamente mais Yin (metabolismo mais lento, hipoatividade, disposição limitada para as rotinas diárias). Mas, ainda assim, não importa a idade, o sexo, os antecedentes familiares ou pessoais, deveríamos ser compreendidos por ambos os aspectos, Yin e Yang, com elementos em nossa vida e em nosso corpo opostos, ambos necessários para uma vida equilibrada.
O Yin não vive sem o Yang, assim como as estações do ano dependem uma da outra. O dia não vive sem a noite. A atividade existe e é seguida pelo repouso. Dormimos, mas acordamos todos os dias. E a vida sempre vai ser seguida pela morte. Esta é a lei da natureza. Por definição, o Yang é o sol, o calor, a manhã, a atividade, o paciente mais acelerado e ativo, a fala rápida e alta, o suor profuso e generalizado, a vermelhidão da pele e na mucosa, a queimação, a dor, as doenças com sinais inflamatórios. O Yin é a lua, o frio, a noite, o repouso, o paciente mais lento e deprimido, a fala lenta e baixa, a face pálida e oleosa, o suor mais grosseiro e localizado, a pressão, as doenças mais sistêmicas e com queixas mais generalizadas. O Yin Yang é uma forma mais imediata de se ver o paciente. Um primeiro diagnóstico a ser feito. E com informações do padrão Yin Yang do paciente, são possíveis alguns ajustes na alimentação, nas atividades e no próprio tratamento de agulhamento na acupuntura.
De acordo com essa primeira abordagem podemos diagnosticar quatro padrões: falso Yang (por deficiência de Yin), falso Yin (por deficiência de Yang), Yang (por excesso de características Yang) e Yin (por excesso de fatores Yin). Através deste passo, determinando a característica do desequilíbrio, começamos a trabalhar na prevenção ou no tratamento das enfermidades às quais o paciente é mais suscetível, doenças essas ditadas principalmente pela genética (na MTC definida como essência) e trabalhar em prol do usufruto do corpo e da mente de forma plena.
Portanto, definido o diagnóstico, prescrevem-se as medidas práticas em relação à textura e temperatura dos alimentos a serem consumidos, indicações de grupos alimentares a serem observados, proibições com relação aos hábitos deletérios, direcionamento para o tipo de atividade física e horários a serem praticados, aspectos relacionados ao trabalho e à vida emocional. E tudo respeitando a medicina ocidental, de acordo com a fisiologia e anatomia do corpo humano, os aspectos definidos pela medicina integrativa e pela genética individual de cada paciente. Esses são só os primeiros minutos de consulta. Outros padrões muito mais complexos e específicos serão investigados, com o objetivo de somar mais informações relevantes a uma investigação otimizada e complexa de cada paciente.