SAÚDE NEWS

Entrevistas

A saúde do tórax merece sua atenção


Dr. Daniel Augusto Pavan
Conheça a especialidade responsável pelos cuidados do tórax


Cirurgiões gerais, cardiovasculares, oncológicos e neurológicos, estas são apenas algumas das especialidades no meio cirúrgico e que, geralmente, são conhecidas pela população. Cada uma trata de uma parte específica do corpo humano, porém, você já pesquisou qual é a especialidade responsável pelos cuidados do tórax? A Cirurgia Torácica é a especialidade encarregada desta área que abriga a maior parte do sistema respiratório, tratando dos pulmões, pleura, esôfago, mediastino e parede torácica. Além disso, o médico formado em Cirurgia Torácica está capacitado para acessar a cavidade torácica, por meio de procedimentos minimamente invasivos ou por grandes abordagens cirúrgicas, ambas com o objetivo de diagnosticar ou tratar as doenças pulmonares e torácicas.
A especialidade surgiu com o tratamento da tuberculose e foi ampliada com os tratamentos de câncer no pulmão, sendo que vem crescendo ao longo dos anos por tratar de várias doenças. De acordo com uma pesquisa realizada pela Fapesp, a média é de um cirurgião torácico para cada 250 mil habitantes. A maioria desses profissionais (67%) está concentrada nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. Cascavel, no oeste paranaense, conta com a experiência do doutor Daniel Augusto Pavan, que chegou à cidade em 1999. Vindo do Rio Grande do Sul, com formação na Universidade de Caxias do Sul, fez especialização no Hospital Conceição em Porto Alegre nas áreas de cirurgia geral e cirurgia torácica. Também é Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Torácica e para manter-se atualizado participa de congressos dentro e fora do Brasil. O médico apostou em Cascavel, cidade de grande potencial na área médica e no desenvolvimento econômico e social.
Já são 19 anos de experiência e dedicação aos pacientes da região, desenvolvendo atividades em todos os hospitais da cidade, além de ser professor da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) desde 2002.


Família e vida pessoal
Segue como exemplos de educação e caráter seu legado familiar. O médico é casado com a nutricionista Lisiane Campos Pavan e pai de duas meninas: Marcela e Mariana. “Você só conhece o amor verdadeiro quando tem filhos! Seu comportamento muda e você começa a cuidar mais de si, porque sabe que precisa cuidar de outras pessoas. Passei a ver o mundo, outros pais e crianças de maneira totalmente diferente”, enaltece.
A exemplo de seus pais, Dr. Daniel gosta muito de atividades físicas. Nelso e Mirian Pavan, de 84 e 78 anos respectivamente, praticam natação e musculação, tendo uma vida totalmente ativa. O médico não fica para trás, é apaixonado pelo karatê, esporte que praticou por mais de 20 anos e também pela natação que faz parte de sua rotina quatro vezes por semana. Outro ponto forte em seu cotidiano é esporte ao ar livre que realiza frequentemente. “Acredito que, além de manter minha saúde em dia estou ocupando meu tempo livre e aproveitando a natureza”, enfatiza.

Saúde News - Por que a escolha pela especialidade de Cirurgia Torácica?
Dr. Daniel -
Desde o período que eu estava na residência de Cirurgia Geral me interessei pela Cirurgia Torácica por ser uma especialidade diferenciada, tanto na investigação para realizar um diagnóstico como no estudo pré-operatório do paciente e na decisão do plano cirúrgico. Além disso, as cirurgias são desafiadoras, exigindo técnica, capacidade intelectual e preparo psicológico do cirurgião.

SN - Quais são os tipos de doenças e lesões que a especialidade trata e como chegar ao diagnóstico correto?
Dr. Daniel -
A Cirurgia Torácica pode tratar doenças da parede torácica, doenças pleurais, doenças pulmonares benignas e malignas, nódulos pulmonares, doença pulmonar intersticial, câncer de pulmão, doenças na traqueia, fraturas de costelas, esôfago e também pode abordar problemas estéticos como deformidades da parede torácica e a hiperidrose, que é o suor excessivo. A investigação do problema é uma etapa fundamental para a especialidade de Cirurgia Torácica. São realizados exames de endoscopia respiratória, biópsias, punções, cirurgias de pequeno porte, entre outros procedimentos com o objetivo de chegar a um diagnóstico preciso. As doenças oncológicas também são parte importante dentro da especialidade, pois são as mais preocupantes e atingem grande parte da população.

SN - As doenças respiratórias são cada vez mais comuns entre a população. É possível elucidar quais as principais causas destes problemas?
Dr. Daniel -
Os problemas respiratórios representam uma grande parcela de doenças que causam morbidade no ser humano, algumas inevitáveis, como as de origem genética e outras que podem ser prevenidas. A principal causa de problemas respiratórios e cerca de 90% dos casos de câncer no pulmão é o tabagismo. Portanto, a Cirurgia Torácica tem uma grande participação na conscientização e prevenção de pacientes candidatos a este tipo de doença. As fibroses pulmonares, doenças ocupacionais, asma e algumas doenças no mediastino também fazem parte desse apanhado de problemas que acometem o sistema respiratório.

SN - Como funcionam as técnicas de videotoracoscopia e mediastinoscopia no tratamento de patologias?
Dr. Daniel -
A videotoracoscopia é uma técnica minimamente invasiva. Com ela é possível fazer pequenas incisões e realizar grandes cirurgias, como biópsias e ressecções. Já a mediastinoscopia é uma técnica de abordagem cirúrgica do mediastino (espaço entre os dois pulmões), local de origem de algumas doenças e que é de difícil acesso. Então, estas duas técnicas são extremamente importantes e se complementam em determinados tratamentos.

SN - Quais os principais diferenciais que o profissional de Cirurgia Torácica precisa apresentar?
Dr. Daniel -
Trabalhamos com tratamentos de alta complexidade e grande porte. Um profissional experiente sabe como ter cautela nos momentos críticos de uma operação, por isso, acredito que conhecimento técnico, habilidade e bom senso são a tríade para o sucesso.

SN - Como é o doutor Daniel dentro do centro cirúrgico?
Dr. Daniel -
O trabalho do médico cirurgião acontece em conjunto: são anestesiologistas, cirurgiões auxiliares, instrumentadores, circulantes de sala, profissionais do hospital, entre outros. Portanto, um bom relacionamento é essencial. A equipe precisa estar entrosada e quem conduz o ambiente é o cirurgião, então, meu comportamento é sereno, mantenho a tranquilidade durante o procedimento e transmito isso para os demais integrantes da equipe.

SN - Como é a sua relação médico/paciente?
Dr. Daniel -
A relação médico/paciente começa muito antes da cirurgia. Atualmente, o paciente chega ao consultório com referências e pesquisas sobre o médico. Assim, ele avalia a postura e a conduta, criando confiança no profissional e no tratamento proposto. No caso de um procedimento cirúrgico, procuro sanar todas as dúvidas do paciente e confortá-lo da melhor maneira, para que ele seja submetido ao procedimento com mais tranquilidade.

Não fume!
“A expectativa de vida dos fumantes é de cerca de 10 anos a menos que de pessoas não fumantes. Por isso, mudar este comportamento em qualquer etapa da vida é essencial. Além disso, praticar uma atividade física desenvolve a capacidade pulmonar e aumenta a qualidade de vida. O mais importante é realizar um esporte que você goste!”


Aventura, medicina e resgate nas montanhas
Outra curiosidade sobre o cirurgião torácico é seu gosto pela adrenalina. Tudo começou quando era médico do Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (SIATE), no qual atuou por 12 anos, fez diversas amizades e foi convidado para participar de um curso de Resgate formado por montanhistas de Curitiba. O evento foi ministrado pelo Corpo de Socorro em Montanha (COSMO), que inclusive, após o treinamento convidou Dr. Daniel Pavan para fazer parte do grupo. Como cirurgião torácico sempre foi interessado por “atividades outdoor” (atividades ao ar livre que unem aventura e diversão). Mais tarde, o cirurgião, também realizou cursos nacionais e internacionais de salvamento e resgate em ambiente agreste, vertical e em corredeiras.
Apesar de todo o seu lado aventureiro, o cirurgião torácico também tem seus momentos de sossego ao lado da família ou lendo. “Acredito que a cada etapa da vida devemos nos dedicar a algum tipo de atividade que nos dê prazer e contribua para nosso bem-estar e evolução, por isso gosto muito de ler sobre fotografia, vinho, expedições, aventuras e conquistas”, finaliza.


Dr. Daniel Augusto Pavan
CRM-PR 17465
Cirurgia Geral - RQE 18606
Cirurgia Torácica - RQE 18605
Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Torácica
Membro da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia