SAÚDE NEWS

Entrevistas

Pneumologista, alergista e especialista nas doenças do sono


Ele tem fé na vida! Percorreu uma longa estrada em busca da excelência. Sua carreira médica e acadêmica são exímias. Seu cotidiano é focado na missão de promover saúde, bem-estar e prolongar a vida! Cursou seis anos de medicina na Faculdade Evangélica de Medicina do Paraná (FEMPAR), Curitiba. Cursou as residências de Clínica Médica (1975) e Pneumologia (1976-77), no serviço do Professor Doutor Clementino Fraga Filho dos Santos, na Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro, aos cuidados do pneumologista Professor Doutor Carlos Alberto Barros Franco. Na época, era considerado o centro mais renomado da especialidade no Brasil. Em 1977, também cursou Terapia Intensiva, no Hospital Souza Aguiar, Rio de Janeiro.
No ano de 1978 foi convidado para trabalhar na Clínica do Pulmão de Maringá em parceria com os médicos Valdemar Lima e Paulo Lima. Lá permaneceu até julho de 1979, quando se mudou para Cascavel e fundou o Instituto do Pulmão (15/07/1979). Especializou-se em Pneumologia e Tisiologia (1982) pela Associação Médica Brasileira. Seu empenho foi responsável por mais uma conquista: Título de Especialista em Alergia e Imunopatologia pela A.M.B. (1993). “Com essa titulação, me tornei mais capacitado no diagnóstico e tratamento da alergia respiratória”, declara.
Quantos congressos? Quantas jornadas e encontros científicos? Doutor Julio já perdeu as contas, pois nunca poupou esforços e nem dinheiro para buscar conhecimentos, dentro e fora do Brasil. É um sonhador, o tempo passa, mas ele continua repleto de entusiasmo. Passou a se dedicar à medicina acadêmica, tornando-se Mestre na área de Pneumologia em 2010, pela Universidade Nove de Julho (Uninove) sendo sua pesquisa uma “Análise comparativa entre pacientes portadores de Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica, submetidos a programa de reabilitação pulmonar em clínica especializada e em regime domiciliar”. Nessa fase atuou como professor do curso de Medicina da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) e, atualmente, ministra aulas de Pneumologia no Centro Universitário - FAG.
A Medicina do Sono é hoje um segmento significativo da esfera da saúde e se preocupa em investigar os possíveis transtornos e as consequências destas perturbações no cotidiano do ser humano. “Com o conhecimento adquirido passei a me dedicar aos estudos da medicina do sono. Trata-se de uma área médica abrangente e está correlacionada com a Pneumologia, devido a Apneia do Sono, síndrome que provoca muita morbidade e mortalidade em todo o mundo”, declara Dr. Julio.


"Minha tese de doutorado foi fundamentada em Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica e Doenças do Sono, mais precisamente na apneia do sono. A pesquisa foi baseada na reabilitação pulmonar e na Síndrome de Overlap, que é a sobreposição da hipoxemia típica da DPOC e a Apneia do Sono, que também faz hipoxemias graves. Foi um grande estudo com 118 pacientes. Conclui meu Doutorado em 15-12-2016."


1974
Formou-se em Medicina
1979
Fundou o Instituto do Pulmão em Cascavel
1982
Especializou-se em Pneumologia e Tisiologia
1993
Recebeu o Título de Especialista em Alergia e Imunopatologia
2010
Tornou-se Mestre em Pneumologia
2016
Concluiu o Doutorado em DPOC e Doenças do Sono
2017
Conquistou o Título de Especialista em Medicina do Sono

Ética profissional, respeito aos pacientes e atendimento humanizado pautaram seus 43 anos de medicina. A experiência técnica aliada a sua visão empreendedora, transformou o Instituto do Pulmão em sinônimo de credibilidade no Paraná, isto é, uma referência no tratamento das doenças respiratórias. Doutor Julio, além da excelência médica em pneumologia, alergia e imunopatologia, agora também é médico especialista do sono.


Medicina do sono

SN - O que é a insônia, suas causas?
Dr. Julio -
A insônia é um distúrbio persistente que prejudica a capacidade de uma pessoa adormecer ou, ainda, de permanecer dormindo durante toda a noite. Pessoas com insônia, geralmente, começam o dia já se sentindo cansadas, têm problemas de humor e falta de energia e têm o desempenho no trabalho ou nos estudos prejudicado por causa deste distúrbio. A qualidade de vida da pessoa, em geral, costuma ficar comprometida. As causas mais comuns são o estresse, a ansiedade e a depressão, que normalmente se confundem, tornando-se um ciclo vicioso. É mais comum nas mulheres, ao contrário da Apneia do Sono que é mais comum nos homens.

SN - Como identificar o sonambulismo?
Dr. Julio -
O sonambulismo caracteriza-se por falar, sentar ou andar pelo quarto e ambientes da casa enquanto “dorme”. Por vezes, medidas de segurança são necessárias para que não ocorra nenhum acidente de maior gravidade com a criança ou o adulto. Outra característica do sonambulismo é que, quando a pessoa acorda no outro dia, ela não se lembra de nada do que aconteceu ou lembra muito pouco. Geralmente, acontece na primeira metade do sono, esse é um dos critérios de diagnóstico do sonambulismo. Vale ressaltar que as pessoas se comportam no automático, algumas vezes com olhos abertos, ficam de pé e até andam ou ficam sentadas na cama. Às vezes falam e outras vezes parecem confusas.

SN - Tem solução para quem ronca demais?
Dr. Julio -
Sim. As soluções seriam a higiene do sono e o emagrecimento, uso de aparelhos com pressão positiva, tratamento com aparelhos intraorais e tratamento cirúrgico, como última opção. O ronco incomoda também o “vizinho”. O ato de roncar diminui nossa qualidade do sono, pois mostra que o paciente está fazendo esforço ao dormir. Nada mais é do que a passagem de ar dificultada pela diminuição do diâmetro da faringe do indivíduo. Quando este diâmetro colaba, dá-se então a Apneia do sono.

SN - O que é Apneia do Sono?
Dr. Julio -
A apneia/hipopneia é definida como interrupção/diminuição do fluxo aéreo (respiração), que pode levar à queda do oxigênio no sangue e a despertares. Apneia Obstrutiva do Sono (AOS), a mais comum, é geralmente caracterizada por eventos de pausas respiratórias que duram mais que 10 segundos e que são consideradas anormais quando ultrapassam a frequência de 5 por hora de sono. A AOS pode ser um distúrbio provocado por alterações anatômicas e pela diminuição de atividade dos músculos dilatadores da faringe (via aérea superior, posterior à língua). As causas principais são o aumento do peso, com a diminuição do diâmetro garganta, relaxamento demasiado dos músculos da garganta e da língua, alterações no formato da cabeça e no pescoço, amídalas e adenoides grandes, principalmente na infância.

SN - Essa síndrome pode ser perigosa?
Dr. Julio -
Sim! A apneia do sono é a mais perigosa dentre outras, pois o paciente pode vir a falecer dormindo. As apneias, pela grave hipoxemia, podem provocar arritmias cardíacas graves e parada cardiorrespiratória. A prevalência da apneia é muito alta chegando a atingir 15 a 30% da população mundial. Assim como pode provocar hipertensão arterial, depressão, entre outros.

SN - Qual a estrutura do Instituto do Pulmão quanto a diagnóstico e tratamento de distúrbios do sono?
Dr. Julio -
Nossa estrutura pode ser comparada as melhores do País, pois temos ambientes climatizados, cinco suítes com tv, quartos e banheiros espaçosos, móveis adequados, camas de casal que podem suportar pessoas obesas. O ambiente foi humanizado para fugir um pouco do meio hospitalar. Fazemos a Polissonografia para crianças e adultos, com aparelhos modernos e de última geração.


Qual é o segredo para dormir bem?
A higiene do sono é o principal fator, doutor Julio selecionou algumas dicas, que embora possam parecer simples, contribuem significativamente para uma boa noite de sono!
• Deitar sempre nas mesmas horas com tempo suficiente para acordar após 7 a 8 horas de sono;
• Ambiente escuro no quarto, com roupas de cama limpas e cheirosas;
• Evitar muita luz quando estiver chegando o horário de dormir;
• Não leve para casa os problemas do trabalho;
• Usar a cama com o objetivo de dormir e não para realizar trabalhos com computadores ou utilização de celulares;
• Assistir tv na sala e evitar filmes com muita adrenalina;
• Ler ou escutar música é uma boa conduta, próximo ao horário de dormir.

Evite o ronco
• Dormir de lado: essa posição mantém uma abertura na garganta que dificulta o ronco quando o paciente está com sobrepeso;
• Nariz descongestionado: desentupir o nariz é uma excelente solução quando o problema é congestão nasal;
• Use tiras nasais: Sim, elas funcionam em muitos casos, pois facilitam o fluxo de ar gerando melhoria na respiração;
• Limpeza do quarto: um quarto limpo evita o ronco causado por alergias. Troque também os lençóis e cortinas com frequência;
• Evite refeições pesadas: pelo menos nas últimas três horas antes de dormir;
• Evite bebidas alcoólicas: devem ser evitadas antes de dormir, uma vez, que elas promovem a descontração dos músculos da garganta;
• Pare de fumar: o tabaco irrita a mucosa das vias respiratórias, gerando um inchamento na garganta.

Dr. Julio Cesar Mendes de Oliveira
CRM-PR 5548
Pneumologia - RQE 1555
Alergia e Imunologia - RQE 13499