SAÚDE NEWS

Entrevistas

Aumento de Glúteos


SN - Quais são as cirurgias para aumento dos glúteos?
Dr. Willyan Inamine -
Atualmente dispomos de duas cirurgias para melhorar o contorno da região glútea: a lipoenxertia e o implante glúteo.

SN - Quais são as diferenças dessas técnicas?
Dr. Willyan Inamine -
A cirurgia de lipoenxertia glútea consiste em retirar gordura de outras regiões como abdome, coxas e braços através da lipoaspiração e, injetá-la na região glútea. Já a cirurgia de implante glúteo, utiliza-se um material artificial, posicionando-o no meio do músculo do glúteo. O material é parecido com o que costuma ser usado na cirurgia de “prótese” de mama.

SN - Quando se recorre a uma, ou a outra?
Dr. Willyan Inamine -
Depende, inicialmente, se a paciente possui gordura para ser retirada. Logo, a lipoenxertia não é possível para pacientes muito magras. O volume desejado também é importante na decisão pois, por meio da lipoenxertia conseguimos aumentos leves a moderados, enquanto que no implante glúteo os aumentos podem ser mais acentuados.

SN - Quanto tempo duram essas cirurgias e como é a anestesia?
Dr. Willyan Inamine -
Ambas cirurgias duram em torno de três horas cada. Dependerá da avaliação do médico anestesiologista pelo tipo de anestesia adequada para cada paciente, podendo ser uma raquianestesia com sedação ou anestesia geral.

SN - Como é a recuperação?
Dr. Willyan Inamine -
A paciente ficará internada por um dia e no pós-operatório é orientado o uso de cintas compressivas, bem como o uso de antibióticos e analgésicos. Não recomenda-se dormir de bruços e deve-se andar desde o primeiro dia. O repouso é relativo por 14 dias. A partir disso, poderá retornar às atividades rotineiras sem esforço físico.

SN - Qual é o risco da cirurgia?
Dr. Willyan Inamine -
O risco da cirurgia envolve: sangramento, infecção, mobilidade ou ruptura do implante. Tudo isso poderá ser minimizado seguindo a tríade da segurança:
1. Verificar se o cirurgião plástico é membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica;
2. Verificar se o anestesiologista é membro da Sociedade Brasileira de Anestesiologia;
3. Verificar se o hospital tem infraestrutura e retaguarda de segurança.
Vale ressaltar que toda a cirurgia estética é uma cirurgia eletiva, cabe a paciente se informar previamente: com quem, como e onde será realizado o seu procedimento cirúrgico.