SAÚDE NEWS

Matérias

Conteúdo

15/09/2015
A perda da fertilidade com o passar da idade

 O número de homens e mulheres que desejam ter filhos em uma idade mais avançada vem aumentando nos últimos anos e assim, cada vez mais aumenta o interesse pelo efeito do envelhecimento na capacidade de ter filhos. Segundo estudos dos Estados Unidos, o número de mulheres que têm seu primeiro filho ao redor dos 20 anos diminuiu um terço desde 1970, enquanto que, na casa dos 30 ou 40, quadruplicou neste período. Muitas vezes, isso se deve a incorporação intensa da mulher na vida profissional e a busca da estabilidade financeira; ou pelo início tardio de uma vida afetiva com o desejo de ter filhos, seja pela dificuldade de encontrar um parceiro ou pelo ingresso em um novo casamento.
Muitas mulheres acreditam que a ciência médica, através da Reprodução Assistida, pode lutar contra a natureza e desfazer os efeitos do tempo – puro engano!
Os homens também perdem a sua fertilidade, não com a mesma intensidade das mulheres, mas de uma forma mais lenta. Da mesma forma que as mulheres, notou-se ultimamente um aumento de 20% de pais com idade superior a 35 anos. No Brasil e na Europa neste mesmo período, mais homens entre 50 e 65 anos têm procurado os serviços médicos em medicina reprodutiva com o desejo de serem pais. Portanto, a perda da fertilidade é um fato inexorável para homens e mulheres.
 
MULHERES
A perda da fertilidade da mulher no decorrer da idade é conhecida por todos. A menina na puberdade inicia as suas menstruações com cerca de 300 mil óvulos disponíveis nos seus ovários e a cada ciclo menstrual, para um óvulo que atinge a ovulação, mil são perdidos, fazendo com que próximo dos 50 anos dificilmente exista óvulos capazes de serem fecundados. Dessa forma, a mulher se torna praticamente incapaz de engravidar com os próprios óvulos. É o fim do estoque de óvulos disponíveis para ser fertilizado, o fim da “reserva ovariana”.
 
Como avaliar o potencial fértil da mulher?
Existem alguns exames que podem avaliar o potencial reprodutivo da mulher. Eles não garantem a longevidade reprodutiva, mas dão uma ideia da capacidade reprodutiva. 
Portanto, a RESERVA OVARIANA é avaliada, fundamentalmente, pela dosagem sanguínea de quatro hormônios no 3º dia do ciclo menstrual: FSH, estrogênio, inibina-B e hormônio anti-mulleriano, além da ultrassonografia no início do ciclo menstrual.
 
MULHERES: PRESERVEM SUA FERTILIDADE
- Procure engravidar antes dos 35 anos;
- Se houver histórico familiar de menopausa precoce e ainda não puder engravidar, congele seus óvulos;
- Se estiver com idade próxima aos 35 e com uma vida conjugal estável e sem filhos, saiba que o melhor momento é agora. Não adie mais, pois a sua fertilidade não estará melhor nos próximos anos;
- Se estiver com idade próxima aos 35 e se não houver perspectiva de um casamento em curto prazo, pense na possibilidade de congelar óvulos;
- Se não estiver conseguindo engravidar, procure o quanto antes um especialista em Reprodução Assistida, pois com o passar da idade as taxas de sucesso dos tratamentos, como a Inseminação e a Fertilização in vitro, também diminuem.


Dr. Fernando Rodrigues Santos
CRM-PR 13852
Ginecologia - RQE 6967
Obstetrícia - RQE 6968

Dra. Cristiane G. Gobo
CRM-PR 14230
Ginecologia - RQE 6882
Obstetrícia - RQE 6883
 
Rua Pernambuco, 2450 - Coqueiral - CEP 85807-050 - Cascavel/PR - Fone: (45) 3224-7212 / 3038-7216 / 99972-4744 / 99931-8072
COPYRIGHT TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.