SAÚDE NEWS

Matérias

Turismo

15/05/2015
Vista sua mochila e aventure-se

 Após passarmos bons dias na Bolívia, chegamos a Quetena, uma cidadezinha no meio do deserto na divisa entre Bolívia e Chile, na esperança de que uma boa alma nos levasse ao país vizinho. Quando não estávamos sob um sol escaldante, surgiam gotículas de chuva para nos assustar e fazer-nos pensar em qual baixada armaríamos a barraca para que o vento não a levasse. Esperamos por algum tempo, até que um caminhoneiro boliviano parou, embarcamos e, enfim, partimos para o nosso novo rumo, o Chile! 
Percorremos longos 600 km sendo que um terço deles era de estrada de terra, mas chegamos a Calama (Chile). Tínhamos um plano de ficarmos poucos dias e concretizamos isso logo após percebermos como o custo de vida é alto nesse país. Porém, mesmo o pouco tempo que ficamos, tivemos a oportunidade de conhecer várias cidades e em sua maioria cidades litorâneas, onde éramos diariamente agraciados com um belíssimo pôr do sol naquelas águas gélidas do Pacífico. Quando não havia oceano nos deparávamos com montanhas desertas e um céu estrelado como nenhum outro que havíamos visto, prova disso é o deserto pertencente à região de Paposo, onde em conjunto com vários países, incluindo o Brasil, está sendo construído o maior observatório astronômico do mundo. 
Viña del Mar, Val Paraíso e Santiago foram algumas das cidades que nos deixaram com gostinho de quero mais, os belos jardins nas praças centrais, a organização e a limpeza, realmente são adjetivos que não podem ser esquecidos, a educação e a cordialidade tampouco. Provamos alguns pratos típicos do país, quase todos a base de frutos do mar, como a deliciosa empanada de “Camarón con queso”. Também encontramos alguns brasileiros viajando pelo Chile, que nos contaram um pouco das suas histórias e novamente pudemos falar o bom e, há dias esquecido, português.
Por ser um país mais estruturado e organizado encontramos uma maior dificuldade em achar lugares onde fosse possível montar a barraca e passar à noite, e mais uma vez contamos com ajuda de pessoas muito boas que nunca nos viram e, que possivelmente, nunca veremos novamente. Não podíamos nos dar ao luxo de obedecer aquela velha máxima de entrar em uma cidade com o pé direito ou esquerdo, mas sim entrar com os dois pés bem firmes para estarmos preparados para as dificuldades que viriam pela frente.

Fonte: Evandro Rodrigues e Paloma Tomazi 

Rua Pernambuco, 2450 - Coqueiral - CEP 85807-050 - Cascavel/PR - Fone: (45) 3224-7212 / 3038-7216 / 99972-4744 / 99931-8072
COPYRIGHT TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.