SAÚDE NEWS

Matérias

Conteúdo

15/03/2015
É necessário olhar mais longe

Dia Mundial da Água

Em todas as edições de março/abril da revista Saúde News, por ocasião do dia 22 de março o Dia Mundial da Água, escrevo sobre o tema.
Embora já tenha abordado desde aspectos históricos, constitucionais, comerciais, até mesmo da água mineral no Brasil, nunca o tema se esgota. Há cerca de um ano, (de forma mais intensa) diariamente acompanhamos na mídia, notícias a respeito da falta de água em muitas cidades brasileiras e, por outro lado, enchentes em outras. 
Acompanhamos também, as diversas sugestões de alternativas para enfrentar esse problema da falta de água, por parte da população e as ínfimas ações do poder público, seja a nível municipal, estadual ou federal para a solução desse problema.
Gostaria, portanto nesta edição, de apontar a reflexão acerca das ações da responsabilização pelo uso e preservação deste tão valioso líquido, do qual depende a vida na Terra. 
No que diz respeito ao uso racional da água, nas cidades onde ocorre a escassez, é quase unânime a participação das pessoas neste processo.  Já não podemos dizer o mesmo da nossa região. Cascavel, sendo considerada a “Cidade das Águas”, peca muito nesse sentido. É comum observarmos cenas cotidianas de desperdícios, nas residências, nos comércios, nas indústrias, enfim, por uma grande parcela da população. 
Talvez pela presença constante das chuvas, na maioria das cidades da região Sul, ainda cultive-se essa prática do desperdício.
No entanto, é necessário olhar mais longe! 
Nesse sentido, fico inconformada diante de toda essa situação, atestarmos o descaso, não só de certas pessoas, mas do poder público que parece deixar a São Pedro e ao cidadão comum (todos nós) a responsabilidade por não deixar a água faltar. Tão grande esse descaso, que parece esse ser um problema do passado. O próprio governo (como já disse: municipal, estadual ou federal) lança mão de propagandas, panfletos, cartazes sugerindo formas de o cidadão economizar água. Enquanto isso as próprias instalações públicas contemplam, também, ínfimas atitudes para coibir o desperdício.
Uma sugestão simples e, com alternativas relativamente baratas, é a tão falada cisterna. Quem diria essa forma de armazenar água desde épocas bem antes de Jesus, seria hoje tão atual.
Por que não promulgar lei obrigando qualquer edificação a ser construída a comtemplar em seu projeto arquitetônico uma forma de armazenamento da água de chuva para diversos fins, principalmente em situações que não requer água tratada? Podendo ser, se necessário, tratada pelo proprietário e consumida em casos de falta d’água. 
Não podemos esquecer que a falta de energia é um problema eminente e que a água depende dela para ser captada, tratada e enviada ao consumidor, pelas empresas responsáveis. 
Portanto, caros leitores, façamos nossa parte. 
Em Cascavel e região são vários os modelos, tamanhos e materiais de cisternas oferecidos no comércio. 
Com criatividade, também é possível desenvolver cisternas alternativas que atendam as necessidades e poder econômico de cada um.  
Se pensarmos e agirmos com racionalidade e prudência, teremos água por mais tempo.

Sugestão:
www.asabrasil.org.br/Portal
www.fazfacil.com.br/reforma-construcao/construcao/cisternas-construcao/
www.mds.gov.br/segurancaalimentar/programa-cisternas
Rua Pernambuco, 2450 - Coqueiral - CEP 85807-050 - Cascavel/PR - Fone: (45) 3224-7212 / 3038-7216 / 99972-4744 / 99931-8072
COPYRIGHT TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.