SAÚDE NEWS

Capa

Uma trajetória baseada na busca por conhecimento e excelência

Era 20 de março de 1986, na cidade de Cascavel, no Oeste do Paraná, quando os pais Luiz e Delvina Vivan sentiram, pela segunda vez, a emoção de ter um bebê nos braços. Nesse dia, nascia no Hospital São Lucas, Márcia Maria Vivan, a irmã mais nova de Ana Luiza Vivan. A infância foi simples, repleta de brincadeiras e a menina sonhava ser professora! Adorava estudar e recebia muito incentivo dos pais. Mais tarde, já na adolescência, gostava de jogar vôlei na escola e até pensou em seguir carreira na área esportiva. Porém, no fim do Ensino Médio, decidiu exatamente o que queria fazer: “medicina”, um grande desafio tanto para ela, quanto para sua humilde família.
Doutora Márcia casou-se em 2014 com o médico radiologista Dr. Carlos Henrique Castro Machado. Em julho de 2018 tornou-se a mãe do Vicente, missão que acolheu com muito carinho e dedicação, a exemplo do que aprendeu desde criança. A família representa um laço de união, amor e segurança, sendo a base principal de sua vida. Portanto, carrega consigo a maior lição de seus pais: a honestidade, característica refletida diariamente em suas atitudes e, principalmente, em sua profissão.


Doutora Márcia Vivan passou no seu primeiro vestibular aos 17 anos, sempre estudou em escola pública e apenas o terceiro ano do Ensino Médio foi em colégio particular. Formou-se em Medicina na Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) e cursou residência em Dermatologia na renomada Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Escolheu a dermatologia pela possibilidade de tratar inúmeras doenças, criar vínculo com os pacientes e, ao mesmo tempo, realizar procedimentos cirúrgicos e estéticos. A médica também possui o título de especialista em Dermatologia pela Associação Médica Brasileira (AMB), pós-graduação em Dermatoscopia na Escola Paulista de Medicina (EPM-Unifesp), além de ser membro titular das Sociedades Brasileiras de Dermatologia e de Cirurgia Dermatológica. Em 2015, passou a integrar o corpo clínico da Clínica Dr. Empinotti, a convite do Dr. Julio Cesar Empinotti, que além de precursor da Dermatologia no Oeste paranaense, também foi seu professor durante a faculdade. Pelo médico cativa gratidão e respeito: “sinto-me honrada por trabalhar com o primeiro dermatologista de Cascavel e grande conhecedor da área. Tenho uma admiração imensa pelo Dr. Julio, uma pessoa íntegra e excelente profissional. Agradeço pela oportunidade de fazer parte de uma equipe tão capacitada, coesa e querida”, declara Dra. Márcia. A dermatologista também trabalha no Consórcio Intermunicipal de Saúde do Oeste do Paraná (CISOP).

A médica busca estar sempre atualizada com as novidades de sua área, sejam científicas ou tecnológicas. Além disso, participa todos os anos de congressos nacionais e internacionais para aperfeiçoamento profissional. Neste ano, marcou presença no XXXVI Radla 2018, realizado em Cancún, evento mais importante da área de dermatologia na América Latina. Recentemente esteve em Curitiba, no 73º Encontro da Dermatologia Brasileira, oportunidade em que trocou ideias com renomados profissionais. Apesar de jovem, Dra. Márcia possui uma grande bagagem profissional, nem ela imaginava que o sonho de ser professora também se tornaria realidade. Atualmente, é preceptora da Residência de Dermatologia no Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP) e professora voluntária na disciplina de Dermatologia do curso de Medicina da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE).
Dermatologista, professora, mãe, filha e amiga, são virtudes que demonstram que a médica é um verdadeiro exemplo de empoderamento feminino. Dedicação, ética e amor em tudo o que faz, apontam que Dra. Márcia vem traçando uma carreira singular, focada no conhecimento e no compromisso com a saúde e autoestima de seus pacientes.


Dermatologia preventiva: esse é o caminho
Quem nunca se olhou no espelho e sentiu-se insatisfeita (o)?

A busca desenfreada pela perfeição e beleza tem sido enaltecida todos os dias pela mídia. O excesso de vaidade pode ser extremamente tóxico, especialmente quando nos comparamos com as personalidades “perfeitas” das redes sociais e buscamos um padrão de beleza idealizado e inatingível, o que tem gerado uma epidemia de pessoas inseguras e insatisfeitas. O fato é: ninguém consegue ser perfeito! A beleza é subjetiva e cada um a vê de uma maneira. Além disso, ver a si mesmo como belo é um exercício diário necessário, pois nossa beleza começa por dentro, com a autoestima. A vaidade é benéfica quando contribui para que o indivíduo se sinta melhor, mais alegre e produtivo em qualquer idade. Hoje em dia, homens e mulheres maduros são muito ativos, independentes e merecem continuar se sentindo bonitos na própria pele, se assim desejarem. Nesse contexto, a dermatologista Dra. Márcia Vivan, torna-se uma grande aliada, pois se dedica aos cuidados com a pele, cabelos, pelos e unhas. A médica compartilha algumas dicas importantes para manutenção da saúde e beleza.

• A grande tendência é o Prejuvenation, termo que associa prevenção com rejuvenescimento – significa enfatizar a prevenção e cuidar da pele desde cedo, quando as queixas são mínimas ou ainda não existem, e manter os cuidados por toda a vida. Essa é sempre a melhor opção!

• Peles jovens também precisam de cuidados e podem ser submetidas a procedimentos sutis. Mas nada de exageros, seguir modismos ou buscar padrões de beleza impostos pelas mídias sociais.

• É preciso traçar uma estratégia para cada paciente de forma particular, respeitando sua individualidade, com bom senso, para que ele se sinta melhor, mas sem ficar descaracterizado. Os procedimentos devem ser feitos com muita delicadeza, para que não sejam notados.

• Nunca é tarde para cuidar da sua saúde e da beleza. Mas não dá para recuperar todo o tempo perdido de uma única vez. A pressa é inimiga, o melhor é ir devagar e sempre. A busca por resultados imediatos ou pelo preço mais barato, aumenta significativamente os riscos de complicações e de resultados inestéticos. O ideal é ter um dermatologista de confiança que irá realizar uma análise detalhada e fazer uma programação adequada ao seu caso, alinhando as expectativas entre médico e paciente.

• É possível realizar procedimentos dermatológicos sem ficar artificial? “Sim, essa é uma forte tendência e por acreditar muito nisso, indico a associação de procedimentos menos invasivos e com resultados mais naturais, como bioestimuladores de colágeno, preenchimento com ácido hialurônico, radiofrequência e lasers”.


"Tento sempre conscientizar meus pacientes que os cuidados estéticos devem servir para melhorar a autoestima, manter uma pele saudável e bem tratada em todas as fases da vida, e não para buscar uma juventude eterna ou inexistente."


Cuidados em cada fase da vida
Não existe uma idade específica para iniciar a realização de procedimentos dermatológicos. Cada paciente tem uma necessidade única e deve ser avaliado individualmente, mas, de maneira geral, listamos os principais procedimentos realizados no consultório, de acordo com a idade cronológica:

Antes dos 25 anos
É uma época de prevenção, em que a pele ainda preserva suas características de viço e tônus. O importante é mantê-la protegida do sol, hidratada e utilizar sabonetes indicados ao tipo de pele. A acne é muito comum nesta fase da vida e deve ser tratada adequadamente para que não evolua com cicatrizes. Limpezas de pele, peelings superficiais ou depilação a laser também já podem ser recomendados.

Dos 25 aos 35 anos
A partir dos 25, começam os primeiros sinais de envelhecimento: rugas de expressão, olheira e surgimento de manchas. Além dos cuidados básicos como filtro solar, a aplicação de ácidos já pode ser adicionada aos cuidados diários. A toxina botulínica, que age relaxando a musculatura e atenuando as rugas de expressão, geralmente, é indicada nesta fase para prevenir a formação de rugas profundas. Além disso, lasers menos agressivos ou a luz intensa pulsada são indicados para estímulo de colágeno, clareamento de manchas e melhora do viço da pele. Procedimentos como preenchimento com ácido hialurônico também podem ser realizados, mesmo em pacientes jovens, para melhora da harmonia facial, sem exageros.

Dos 35 aos 45 anos
Nesta fase começa a ficar mais evidente a perda de colágeno e algum grau de flacidez pode ser observado, por isso o foco muda para o estímulo de colágeno, especialmente, através dos bioestimuladores, como o ácido poli-l-láctico (Sculptra®) ou hidroxiapatita de Cálcio (Radiesse®). Estas substâncias, ao serem injetadas nas camadas mais profundas da pele, induzem a produção de colágeno novo, aumentando a espessura da pele, melhorando a firmeza e redefinindo o contorno facial. Além disso, também podem ser realizados para estimular o colágeno a radiofrequência, lasers ablativos (CO2, por exemplo), IPCA (Indução Percutânea de Colágeno com Agulhas), entre outros. O preenchimento com ácido hialurônico em pontos estratégicos do rosto (técnica de MD CODES) ameniza sulcos e tem efeito de lifting, sendo bastante utilizado nessa faixa etária.

A partir dos 45 anos
A partir dessa idade, os sinais de flacidez, associados à reabsorção óssea e aos danos do sol, começam a ficar mais perceptíveis, especialmente após a menopausa nas mulheres. Além de todos os procedimentos já citados, nessa fase costuma ser necessária a abordagem (cirúrgica ou não) das pálpebras, clareamento das melanoses em mãos, colo e face com lasers ou luz intensa pulsada. Além disso, as mãos podem merecer um cuidado especial nessa fase com a aplicação de hidroxiapatita de cálcio para atenuar o aspecto cadavérico que pode ocorrer.


Tricologia – o estudo dos cabelos
A epidemia da calvície feminina

Os cabelos têm um papel fundamental na autoestima masculina e feminina. Cada vez mais aumentam as queixas de queda de cabelos no consultório, especialmente entre as mulheres. Não é para menos: aproximadamente 50% delas podem vir a apresentar algum grau de calvície (alopecia androgenética) durante a vida. Ao contrário dos homens, em que a calvície acomete as entradas e a “coroa” (vértex), nas mulheres o afinamento dos fios e a perda acontecem de modo mais difuso, predominantemente na região do topo da cabeça, deixando o couro cabeludo cada vez mais visível. Como o processo é lento, pode acabar passando despercebido no início e ser confundido com outras causas de queda de cabelos. Muitas pacientes só procuram ajuda quando o quadro já está avançado, o que acaba atrasando a procura por atendimento médico especializado. O ideal é consultar um dermatologista, experiente em tricologia, nos casos em que a queda persiste por mais de 6 meses, ou identifica-se o afinamento dos fios ou coceira/lesões no couro cabeludo.

Não cometa estes delitos contra os seus cabelos:

• Não tome vitaminas sem orientação médica;

• Esqueça os tratamentos por conta própria ou com profissionais despreparados;

• Não se iluda com tratamentos “supostamente” milagrosos.


Tricoscopia Digital
O dermatologista é o especialista em diagnóstico e tratamento dos distúrbios que afetam os cabelos, como queda e quebra dos fios, inflamações, infecções e doenças do couro cabeludo. Por meio de um exame chamado Tricoscopia Digital, o médico analisa de forma não invasiva o couro cabeludo, tendo uma visualização com aumento de 20 a 70 vezes. Desse modo, é possível medir a espessura dos fios e a densidade capilar, além de comparar diferentes áreas do couro cabeludo. Isso possibilita o diagnóstico adequado e acompanhamento ao longo do tempo, resultando em uma análise mais objetiva da evolução e da resposta aos tratamentos instituídos.


Tratamento promissor: Microinfusão de Medicamentos na Pele
A calvície não tem cura até o momento. No entanto, existem tratamentos capazes de retardar a progressão da doença, com o objetivo principal de frear e reverter o processo de afinamento, mantendo os fios que o paciente tem. A terapêutica de primeira linha baseia-se no uso de medicamentos orais e tópicos, levando-se em consideração as indicações e contraindicações para cada paciente. Além disso, dispomos também de diversos procedimentos complementares que são muito bem-vindos, sendo a MMP® (Microinfusão de Medicamentos na Pele) o mais promissor deles até o momento, em que se infundem medicamentos no couro cabeludo através de um aparelho específico com múltiplas agulhas, aliando o benefício do microagulhamento à infusão de substâncias diretamente no local acometido. Com ele é possível a aplicação da medicação de forma uniforme e precisa, obtendo resultados muito satisfatórios.


Mapeamento Corporal no diagnóstico precoce do câncer de pele
O mapeamento corporal total com dermatoscopia digital é um método complementar ao exame clínico que auxilia o diagnóstico precoce do melanoma (câncer de pele que mais mata no mundo). O exame consiste de fotografias de alta resolução de todo o corpo através de um aparelho específico (Fotofinder) associado à dermatoscopia digital das pintas (nevos) com aumento de 20 até 70 vezes. As pintas suspeitas são removidas e enviadas para análise (biópsia) e as demais serão acompanhadas ao longo do tempo. Com isso, é possível observar se houve o surgimento de alguma pinta nova (suspeita) por meio das fotografias corporais ou se a pinta teve alguma modificação ou aumento de tamanho que justifique a sua retirada. Este método possibilita diagnosticar o melanoma no seu estágio mais inicial somente por meio da mudança de característica da pinta, ou seja, mesmo quando ela ainda se parece muito com uma pinta inocente, além de diminuir o número de biópsias e cirurgias desnecessárias. O mapeamento corporal está particularmente indicado à população de alto risco para o melanoma, como indivíduos com múltiplas pintas, antecedentes pessoais ou familiares de melanoma, pessoas de pele e cabelos claros ou com histórico de queimaduras de sol na infância.
Veja também:
Inovações tecnológicas que ampliam seu conforto no cuidado com os olhos
Dr. Julio Cesar Empinotti: o precursor da dermatologia no Oeste do Paraná
O mapa da beleza
A excelência em cirurgia e transplante de fígado