SAÚDE NEWS

Capa

Inovações tecnológicas que ampliam seu conforto no cuidado com os olhos

Tudo o que você precisa para cuidar do olhar como um todo, num só lugar e em um ambiente de conforto e segurança.

O Hospital de Olhos de Cascavel conta com uma estrutura de 3.600 metros quadrados equipada com tecnologias de primeiro mundo, que são operadas por uma equipe de 19 oftalmologistas de renome nacional. Conheça detalhes.


O Hospital de Olhos de Cascavel, referência na prestação de serviços de última geração em oftalmologia, é apontado pelas autoridades do setor como um dos mais bem equipados da América Latina. Diariamente, centenas de pessoas chegam à cidade, vindas de diferentes regiões brasileiras e de países vizinhos, em busca de tratamento especializado, exames e cirurgias de rotina, como catarata e glaucoma, ou de alta complexidade, como as áreas de retina e refrativa (laser personalizado).
O conforto e a agradável acolhida aos pacientes se multiplicam na estrutura física e qualidade de recursos humanos. No Espaço Kids, as crianças têm um local exclusivo para recreação. Os horários flexíveis permitem agendar consultas com seus 19 médicos especialistas, de acordo com a melhor conveniência.
Fundado há mais de duas décadas, o Hospital também é responsável pela manutenção do Banco de Olhos de Cascavel, um dos mais atuantes do País. Ele tem participação decisiva na redução do tempo de espera em filas de transplante de córneas. Hoje, em Cascavel, o tempo de espera pelas córneas se resume ao espaço suficiente para a tramitação dos processos legais junto à Central de Transplante, administrada pela Secretaria Estadual de Saúde.

A melhor tecnologia
O portfólio de recentes aquisições do Hospital inclui o AngioVue, equipamento que otimiza o exame de fundo de olho e pode – em muitos casos – dispensar o uso de contraste químico; o novíssimo Wavelight EX 500 Excimer Laser, para cirurgias refrativas (laser personalizado), e os ultramodernos Centurion Vision System e Signature Pro, para cirurgias de catarata, entre outros.
Sua mais recente aquisição, o IOL Master 700, otimiza o resultado final das cirurgias, porque oferece uma definição 5 vezes maior que a biometria ultrassônica tradicional, o que aumenta ainda mais a precisão do diagnóstico. Permite medir diversas estruturas oculares com precisão, tais como o globo ocular e suas estruturas internas. O exame também é útil no diagnóstico de alterações no tamanho ocular, pois mede o comprimento do olho.
A biometria realizada com o IOL Master é mais precisa (considerada padrão ouro no setor oftalmológico), não invasiva, indolor e de fácil utilização, não havendo necessidade de anestesia. Sempre investindo, o Hospital acaba de importar o Eidon True Color Confocal Scanner, lançamento mundial, que vem a ser o primeiro scanner de retina confocal de cor real e infravermelho totalmente automático, estabelecendo novos padrões
de desempenho na imagem da retina.
A permanente atualização científica e tecnológica, com investimentos e novas aquisições, aliada à infraestrutura e atendimento personalizado, atraem um volume crescente de pacientes de estados do Sul e Centro-Oeste, além do Paraguai e Argentina. O hospital reúne, num amplo e confortável espaço, especialistas nas diferentes áreas da oftalmologia, reconhecidos nacional e internacionalmente, que contam com o suporte dos mesmos equipamentos e tecnologias disponíveis nos grandes centros mundiais.


Catarata: aos 60 anos quase todos vão ter a doença

À medida que você envelhece, aumenta a sua chance de ter catarata. Aos 80 anos sua catarata está quase 100% garantida. Veja o que há de novo em relação ao tratamento dessa doença.

A Catarata pode ocorrer em qualquer idade, mas é mais frequente depois dos 60 anos. Ela é responsável por 50% dos casos de cegueira do mundo. A metade dos que chegam aos 60 anos já tem ou teve. Quase 100% dos que chegam aos 80 apresentam a doença.

O que é?
O cristalino é a lente que fica atrás da íris. Transparente, ele permite que os raios de luz passem por ele e alcancem a retina para formar a imagem. Catarata é a opacidade do cristalino, que embaça e diminui a visão aos poucos. Os sintomas mais comuns são visão borrada, ofuscamento, cores menos vivas, baixa visão noturna e até mesmo visão múltipla. A única alternativa que de fato resolve é a cirurgia.

Cirurgia inovadora
O Hospital de Olhos foi um dos primeiros da região e um dos pioneiros no país a disponibilizar o 
Signature PRO, um equipamento que incorpora a última palavra em tecnologia para cirurgia de Catarata. Esse novo equipamento reúne os mais recentes avanços em facoemulsificação, que vem a ser a quebra e aspiração do cristalino afetado pela catarata com o uso do ultrassom. O facoemulsificador controla o tipo e a intensidade do ultrassom, o vácuo, a aspiração e diversos outros parâmetros definidos pelo médico cirurgião. Com o Signature PRO, ganha-se em precisão, estabilidade e segurança. Na medida em que se aplica menos ultrassom, por exemplo, reduzem-se os edemas e as perdas endoteliais.
Amplia-se o conforto e agiliza-se o retorno do paciente à sua rotina diária.
Outro equipamento que se soma a outros de ponta já em uso no dia a dia do Hospital é o Centurion Vision System. Ele incorpora uma tecnologia inteligente, que otimiza cada etapa do procedimento, oferecendo maior agilidade e segurança. O novo sistema se adapta automaticamente às mudanças de condições dos olhos durante a cirurgia, promovendo mais estabilidade e melhor controle da pressão intraocular, entre outras vantagens.

Sem catarata e também livre de óculos
Mas os avanços tecnológicos permitem que, além da catarata, também se possa corrigir ao mesmo tempo outros transtornos visuais, como miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia. Além das lentes intraoculares convencionais, que podem corrigir a miopia e a hipermetropia, o Hospital implanta lentes capazes de corrigir o astigmatismo e a presbiopia também. São as chamadas Intraoculares Premium, que podem deixar o paciente independente dos óculos. Elas recuperam a boa visão de longe, intermediária e de perto, levando à independência total dos óculos em 90% dos casos.


Retina: tecnologia dispensa o uso de contraste químico

A retina é a estrutura responsável pela formação e tradução das imagens para o cérebro através de impulsos elétricos enviados pelo nervo óptico. Ela também tem importante quantidade de vasos, que levam sangue e oxigênio para os olhos. Pode sofrer de diversas formas, como com descolamentos, infartos, degenerações e inflamações.
Os sintomas de acometimento retiniano que a pessoa pode sofrer são caracterizados por perda visual, que incluem escotomas (como um véu preto
na frente da visão, que não deixa enxergar nada além), metamorfopsias (enxergar objetos como se estivessem inclinados ou distorcidos) e embaçamentos (não permite diferenciação correta dos objetos).
O tratamento necessário pode ser através de colírios, medicamentos via oral (comprimidos), medicamentos injetáveis (na veia ou, às vezes, diretamente na esclera) ou, nos casos mais complexos, cirurgia.

Um jeito novo de avaliar o fundo do olho
Para tratamento mais adequado, é fundamental um diagnóstico preciso. A avaliação das estruturas retinianas pode ser realizada de diversas formas, como por meio de visualização com lentes especiais, métodos fotográficos com lentes especiais ou, ainda, exames tomográficos.
O exame inicial é feito através dos oftalmoscópios.No entanto, muitas vezes, são necessários exames mais aprofundados (detalhados), situações em que entram em cena outros equipamentos. Por exemplo, para ver detalhes da vasculatura retiniana (veias da retina), retinografias são boas, mas não permitem ver vasos anômalos nas camadas mais profundas da retina.
Até há pouco, para ver estas anomalias com detalhes era necessário o exame vascular contrastado ou com uso de contraste químico. Surgiu muito recentemente a tecnologia que possibilita esta avaliação sem uso de contraste. Além dessa vantagem (de dispensar o uso do contraste), o exame oferece também mais detalhes.
AngioVue é uma tecnologia que permite avaliar o fundo do olho, com detalhes nunca antes vistos, num processo não invasivo e que dispensa a aplicação do tradicional (porém, por vezes, arriscado) contraste químico. O Hospital de Olhos foi um dos primeiros centros oftalmológicos a contar com o AngioVue.
Diferentemente dos angiotomógrafos convencionais, que utilizam radiação para fazer o exame, esta modalidade de tomografia é realizada com luz, não havendo, portanto, preocupações quanto à indicação, mesmo em gestantes, e havendo possibilidade de repetir o exame em diversas ocasiões
do acompanhamento, se necessário.

Alerta aos diabéticos
Os profissionais do Hospital de Olhos que atuam no setor de retina estão em mobilização permanente, visando conscientizar as pessoas dos danos que o diabetes pode causar nas estruturas oculares.
O diabetes atinge o corpo inteiro, mas, nos olhos, pode provocar catarata, miopia e a chamada retinopatia diabética. Esta última doença causa danos nos vasos sanguíneos, que podem se romper e causar hemorragias no fundo dos olhos, comprometendo a saúde ocular.
Se a doença na retina não for tratada, pode resultar na perda parcial ou total da visão. A retinopatia diabética não tem cura total, mas pode e deve ser controlada através de acompanhamento e exames periódicos (ao menos uma vez por ano) com o seu oftalmologista.

Refrativa: o laser que pode livrar você do uso de óculos

Cirurgia refrativa é um procedimento cirúrgico para corrigir doenças, como a miopia, a hipermetropia e o astigmatismo, ou seja, vícios de refração que atrapalham a focalização, fazendo com que a pessoa não consiga enxergar imagens nítidas. Além disso, o olho humano pode apresentar outras pequenas imperfeições que associadas comprometem a qualidade da visão, principalmente em condições
de baixa luminosidade, como dirigir à noite, por exemplo. Essas imperfeições, chamadas aberrações, costumam variar de intensidade e para cada tipo de pessoa.
O Excimer Laser WaveLight EX500 Alcon incorpora a mais recente tecnologia para personalizar a cirurgia, adequando o procedimento às características da córnea e da íris de cada pessoa. Controlado por computador, com uma luz ultravioleta, ele remodela suavemente a superfície da córnea, levando em consideração o reconhecimento da íris feito pelo mapeamento e modificando sua curvatura para, consequentemente, corrigir os vícios refrativos.

Especialistas a seu dispor
Com uma equipe (clique aqui) de 19 oftalmologistas, além de anestesiologista, o Hospital de Olhos de Cascavel atende pacientes dos mais diferentes estados brasileiros, do Paraguai e da Argentina. Graças a equipamentos e estrutura de última geração, incluindo cinco salas cirúrgicas, reúne as condições ideais para, no mesmo ambiente, diagnosticar e tratar as mais diversas patologias que podem afetar a saúde ocular. Para mais informações acesse www.hospitaldeolhos.com.br


Remédio, laser ou cirurgia: as armas para controlar o glaucoma

Doença silenciosa, o Glaucoma começa roubando a visão periférica e, se não for tratado a tempo, evolui para a cegueira irreversível.

A Organização Mundial de Saúde considera essa doença como a maior causa de cegueira irreversível no mundo. O problema atinge cerca de 65 milhões de pessoas no planeta. Destas, 4,5 milhões perderam totalmente a visão, segundo a Associação Mundial do Glaucoma. No Brasil, as autoridades médicas estimam que 900 mil pessoas sofram dessa doença.

O que é o Glaucoma?
O Glaucoma pode ser detectado apenas após um exame oftalmológico cuidadoso. Por isso, é importante consultar um oftalmologista regularmente e fazer a prevenção, pois a doença atinge o nervo óptico.
A pressão intraocular elevada é um fator de risco significativo para o desenvolvimento de glaucoma. Não existe, entretanto, uma relação causal direta entre um determinado valor da pressão ocular e o aparecimento da doença. O certo é que, se não for tratado em tempo, o glaucoma leva ao dano permanente do disco óptico, causando uma atrofia progressiva do campo visual, que pode progredir para a cegueira total.

Sem cura, mas é possível controlar
O Glaucoma não tem cura, em nenhum lugar do mundo, mas o Hospital de Olhos de Cascavel dispõe de profissionais e recursos que, na maioria dos casos, podem controlar sua evolução. A receita, dependendo do estágio em que a doença foi diagnosticada, pode incluir o uso de medicamentos, tratamento a laser ou cirúrgico.
Existem fatores de risco que favorecem o aparecimento dessa doença, como idade (após 45 anos), hereditariedade e determinados medicamentos. A existência de pessoas portadoras da doença na família exige cuidados redobrados. Segundo pesquisas, pessoas de pele negra têm incidência três vezes maior que as demais.

Você Sabia?
Saúde não é só enxergar bem
Algumas doenças oculares se instalam e só em fases adiantadas é que são percebidas, quando já comprometeram a sua capacidade de enxergar. Por isso, é importante a realização de check-up ou consulta anual. Mesmo que você consiga ler até letra de bula sem óculos, não deixe de fazer a sua consulta anual.


Fila zero para transplante de córneas no Hospital de Olhos

Estatística divulgada pela Anvisa indica que, de janeiro a junho deste ano, o Banco de Olhos de Cascavel realizou 191 captações, encaminhando-as para transplantes, de acordo com indicação da Central Estadual de Transplantes.
Graças ao Banco mantido pelo Hospital de Olhos de Cascavel e a esta resposta positiva da população, que se reflete em doações, os pacientes que precisam de transplante de córnea não esperam na fila. O tempo de espera pelas córneas se resume ao período de tramitação dos processos legais junto à Central de Transplante, administrada pela Secretaria Estadual de Saúde.
Neste ano, 37 córneas entre todas as captadas foram transplantadas em pacientes do Hospital de Olhos de Cascavel. As demais foram repassadas a outros centros transplantadores, atendendo sempre à escala da Central de Transplantes.

Transplante endotelial
Até há bem pouco tempo, restrito aos maiores centros cirúrgicos do mundo, o transplante endotelial de córnea é uma técnica já incorporada à rotina do Hospital de Olhos de Cascavel, um dos mais bem equipados hospitais do gênero na região Sul do País.
As modernas técnicas revolucionaram o modo de encarar o transplante, alterando substancialmente as indicações desses procedimentos. Antes, o costume era implantar a córnea inteira. A palavra de ordem, agora, é substituir apenas a parte doente, preservando as estruturas sadias da córnea do paciente.
Diminuindo a área de transplante, reduz-se a possibilidade de rejeição e encurta-se o tempo de recuperação. Os pacientes de transplantes tradicionais de córneas levam, em média, de seis meses até um ano, enquanto no transplante endotelial, a recuperação se dá, em média, em dois meses. A técnica é indicada para pacientes portadores de doenças genéticas e distrofias, especialmente Fuchs, ou que tenham sofrido traumas no olho, que prejudicam a transparência da córnea.

Você Sabia?
Seus olhos trabalham enquanto você dorme
Dormir na dose certa também contribui para a saúde dos olhos, uma vez que a rodopsina, que é um pigmento da retina, regenera-se enquanto estamos dormindo. Dormir menos de seis horas diárias prejudica essa regeneração, causando irritação nos olhos devido à falta de lubrificação.

O risco de coçar os olhos
Algumas doenças oculares têm origem no microtrauma produzido pelo processo de coçar e esfregar os olhos. Ceratocone é a mais comum. Pode acontecer em pacientes alérgicos, que coçam muito os olhos. O ato de esfregar os olhos pode também ocasionar o descolamento da retina, uma condição grave que põe em sério risco a visão.


Ceratocone: transplante é a última opção

Ceratocone é uma doença caracterizada pelo afinamento e aumento na curvatura da córnea, que sofre alterações, perdendo o formato arredondado e adquirindo um formato de cone. Essa alteração, que costuma ocorrer na adolescência, progride até por volta dos 30 anos e leva, além da progressão da miopia e do astigmatismo, a uma acentuada baixa da acuidade visual. Além da troca constante das lentes dos óculos por conta da progressão acelerada do grau, outros sintomas característicos do ceratocone são o desconforto visual, dor de cabeça, fotofobia e coceira nos olhos.
O transplante de córneas é considerado o último recurso. Antes, é possível optar pelo implante de um anel nas córneas, por exemplo, para estabilizar a curvatura da região. Outra técnica para tratar a doença é o Cross-Linking. Aplica-se um colírio à base de vitamina, que é ativada através de um feixe especial de luz ultravioleta para a maior união das fibras de colágeno. Consegue-se com isso estabilizar a evolução do ceratocone.

Faça aqui o teste de DMRI
clique aqui

• DMRI Exsudativa: sua visão está comprometida?
Esta é a grade de Amsler, que ajuda a detectar metamorfopsias ou distorções na visão, que sinalizam o avanço e agravamento da Degeneração Macular Relativa à Idade (DMRI) do tipo exsudativa. É uma doença que vem com a idade e atinge a área central da retina, evoluindo para severa diminuição progressiva da visão. Note que esse é um diagnóstico rápido e preliminar que deve ser confirmado com um oftalmologista.
Para fazer o teste, coloque os óculos, se usar, e fique a uma distância de 30-45 centímetros da revista. Cubra um olho. Olhe para o ponto no centro com o olho descoberto. Enquanto olha, repare se todas as linhas da grade estão retas ou se alguma área parece torta, escura ou embaçada. Repita com o outro olho. Percebeu algo diferente na sua visão? Se sim, procure um oftalmologista e cuide da sua visão. Um diagnóstico precoce garante o melhor resultado no tratamento.
Veja também:
Dr. Julio Cesar Empinotti: o precursor da dermatologia no Oeste do Paraná
O mapa da beleza
A excelência em cirurgia e transplante de fígado
Dez anos de transplante capilar com segurança e excelência